Entretenimento

10 filmes que você tem que assistir

Introdução

Ian Christie toca nas mudanças em nossa maior pesquisa de todos os tempos.

E o perdedor é – Cidadão Kane. Depois de 50 anos no topo da pesquisa Sight & Sound, o filme de estréia de Orson Welles foi convincentemente derrubado pelo 45º longa-metragem Vertigo de Alfred Hitchcock – e por 34 votos, comparados com os meros cinco que os separaram uma década atrás. Então o que isso significa? Dado que Kane realmente teve mais de três vezes o número de votos este ano do que da última vez, não foi exatamente desprezado pelo número muito maior de eleitores que participaram desta nova pesquisa, que espalhou sua rede muito mais do que qualquer outra. seus seis antecessores.

Mas isso significa que Hitchcock, que só entrou no top ten em 1982 (dois anos após sua morte), aumentou de forma constante ao longo de 30 anos, com a Vertigo subindo do sétimo lugar para o quarto em 1992, segundo em 2002. e agora primeiro, fazer dele oVelho Mestre. Welles, com exclusividade, teve dois filmes (The Magnificent Ambersons e Kane) na lista em 1972 e 1982, mas agora o Ambersons caiu para o 81º lugar entre os 100 primeiros.

Então, 2012 – a primeira pesquisa a ser realizada desde que a internet se tornou quase certamente o principal canal de comunicação sobre filmes – marca uma revolução no gosto, como aconteceu em 1962? Naquela época, um novo filme, L’Aventura de Antonioni, saltou para o segundo lugar. Se houvesse um equivalente hoje, poderia ter sido A Árvore da Vida, de Malick, que apenas fez um voto a menos do que o último título no top 100. De fato, o filme mais alto do novo século é Wong Kar-wai’s In. o Mood for Love, com apenas 12 anos de idade, agora dividindo a 24ª posição conjunta com o venerável Ordet da Dreyer…

1. Vertigem

Alfred Hitchcock, 1958 (191 votos)

A parte suprema e mais misteriosa de Hitchcock (como cinema e como emblema da arte). A paranóia e a obsessão nunca pareceram melhores.

– Marco Müller

Depois de meio século de monopolizar o primeiro lugar, Citizen Kane estava começando a parecer convencidamente inviolável. Chame isso de Schadenfreude, mas vamos nos alegrar que este símbolo agora convencional e ritualizado de “o maior” finalmente tenha sido derrubado. A adesão da Vertigo dificilmente tem a natureza de um golpe de Estado. Empatando para o 11º lugar em 1972, a obra-prima de Hitchcock subiu constantemente a pesquisa nas três décadas seguintes, e em 2002 era claramente o herdeiro aparente. Mesmo assim, até mesmo os fervorosos Wellesianos deveriam sentir-se satisfeitos com a modesta revolução – mesmo que apenas pela prova de que os cânones cinematográficos (e as versões da história que eles legitimam) não sejam completamente fossilizados.

Pode não haver maior significado no fato de que alguns filmes feitos na Califórnia com 17 anos de intervalo comercializaram rankings numéricos em uma lista caprichosamente impressionista. No entanto, o desejo humano de interpretar os fenômenos do acaso não será negado, e Vertigo é uma máquina engenhosa e duvidosa para girar o significado…

– Abertura de Peter Matthews para seu novo ensaio sobre Vertigo em nossa edição de setembro de 2012

2. Cidadão Kane

Orson Welles, 1941 (157 votos)

Kane e Vertigo não estão no topo do mapa por direito divino. Mas esses dois filmes ainda são os melhores em fazer o que o grande cinema deveria fazer: estender o cotidiano ao visionário.

– Nigel Andrews

Na última década, assisti a este primeiro recurso muitas vezes e, a cada vez, revela novos tesouros. Claramente, nenhum filme é o maior de todos os tempos. Mas se houvesse um, para mim, Kane seria agora o mais forte candidato, nenhum deles.

– Geoff Andrew

Toda a vida de celulóide está presente em Citizen Kane; vê-lo pela primeira ou enésima vez permanece uma revelação.

– Trevor Johnston

3. História de Tóquio

Ozu Yasujiro, 1953 (107 votos)

Ozu costumava se assemelhar a um “fabricante de tofu”, em referência à forma como seus filmes – pelo menos os pós-guerra – eram variações de um pequeno número de temas. Então, por que Tokyo Story é aclamado pela maioria como sua obra-prima? Os lançamentos em DVD disponibilizaram filmes pré-guerra como I Was Born, But…, e ainda assim o voto de Ozu não foi dividido, e Tokyo Story subiu dois lugares desde 2002. Pode ser que em Tokyo Story esse tofu mais japonês O criador refinou sua arte até o ponto da perfeição e criou um filme verdadeiramente universal sobre família, tempo e perda.

– James Bell

4. La Règle du jeu

Jean Renoir, 1939 (100 votos)

Apenas Renoir conseguiu expressar em filme a mais elevada noção de naturalismo, examinando este mundo a partir de uma perspectiva que é sombria, cruel mas objetiva, antes de alcançar a serenidade do trabalho de sua velhice. Com ele, não se tem escrúpulos em usar superlativos: La Règle du jeu é simplesmente o maior filme francês do maior dos diretores franceses.

– Olivier Père

5. Nascer do Sol: Uma Canção de Dois Humanos

FW Murnau, 1927 (93 votos)

Quando FW Murnau deixou a Alemanha para a América em 1926, o cinema previu o que estava por vir? Sentia que a mudança estava chegando – que agora era a hora de encher a fantasia, o delírio e o espetáculo antes que os atores falassem a forma de arte mais próxima da realidade? Muitas coisas tornam este filme mais do que apenas um conto de moralidade sobre a tentação e luxúria, uma fábula sobre um jovem marido tão louco de desejo por uma menina da cidade que ele contempla afogar sua esposa, uma história elementar mas doce de marido e mulher redescobrindo seu amor para cada um. O nascer do sol foi um exemplo – talvez nunca mais repetido na mesma escala – de imaginação irrestrita e a influência do sistema de estúdio trabalhando juntos, em vez de objetivos cruzados.

– Isabel Stevens

6. 2001: Uma Odisséia no Espaço

Stanley Kubrick, 1968 (90 votos)

2001: Uma Odisséia no Espaço é um monumento em pé, um grande salto visionário, insuperável em sua visão do homem e do universo. Foi uma declaração que veio em um momento que agora parece algo como o pico do otimismo tecnológico da humanidade.

– Roger Ebert

7. Os pesquisadores

John Ford, 1956 (78 votos)

As flutuações na popularidade do épico íntimo de vingança de John Ford – nenhuma aparição em dezenas de críticos ou de diretores em 2002, mas em quinto lugar na pesquisa dos críticos de 1992 – refletem as mudanças na popularidade do western? Poderia ser um caso de ser um faroeste para pessoas que não se importam muito com eles, mas eu suspeito que isso tenha mais a ver com as ações de John Ford tendo subido mais do que nunca na última década e a citação de sua influência na mais improvável das lugares no cinema recente.

– Kieron Corless

8. Homem com uma câmera de filme

Dziga Vertov, 1929  (68 votos)

A sinfonia cine-city de Dziga Vertov é um filme cuja hora finalmente chegou? Classificado apenas não. 27 na pesquisa de nossos últimos críticos, ela agora desloca o perene Battleship Potemkin de Eisenstein como o silencioso soviético construtivo da escolha. Como o cavalo de guerra de Eisenstein, é um experimento agitado que vê a montagem como o meio para uma consciência revolucionária; mas, em vez de continuar com a fábula e a ilusão, está explicitamente empenhada tanto em registrar o cotidiano urbano moderno (o que o torna o principal documentário em nossa pesquisa) quanto em sua representação de volta a seus participantes (assim, o principal meta-filme).

– Nick Bradshaw

9. A Paixão de Joana d’Arc

Carl Dreyer, 1927 (65 votos)

Joan foi e continua sendo um gigante inexpugnável do cinema primitivo, um filme transcendental que inclui lágrimas, fogo e loucura que se baseia em close-ups extremos do rosto humano. Ao longo dos anos, tem sido um filme difícil de ver, mas mesmo durante seus anos perdidos, Joan permaneceu imersa na consciência crítica, graças à força de sua recepção precoce, aos impressionantes alambiques que apareceram nos livros de cinema, sua presença no filme de Godard. Vivre sa vie e, recentemente, uma série de apresentações ao vivo inesquecíveis. Em 2010, foi eleito o filme mais influente de todos os tempos na lista ‘Essential 100’ do Festival Internacional de Cinema de Toronto, onde Jonathan Rosenbaum descreveu-o como “o auge do cinema mudo – e talvez do próprio cinema”.

– Jane Giles

10. 

8½ (1963)

8½ (1963)

Federico Fellini, 1963 (64 votos)

Indiscutivelmente o filme que captura com mais precisão as agonias da criatividade e do circo que rodeia o cinema, partes iguais narcisista, auto-depreciativo, amargo, nostálgico, caloroso, crítico e engraçado. Sonhos, pesadelos, realidade e memórias coexistem dentro do mesmo período de tempo; o espectador vê o mundo de Guido não como é, mas mais “realisticamente” enquanto o experimenta, inserindo o filme em uma linhagem que se estende dos surrealistas até David Lynch.

– Mar Diestro-Dópido

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close