Entretenimento

Ni no Kuni II: Revista Revenant Kingdom

Quando o Ni no Kuni original chegou à PS3 em 2013 (no Ocidente, pelo menos), foi recebido com prazer pelas suas cenas de animação do Studio Ghibli, pelo charmoso mundo de fantasia e por personagens cativantes. Mecanicamente, porém, foi muito ‘My First RPG’, culpado de excesso de mão e explicando cada faceta do jogo para os jogadores.

Pule para 2018 e seu sucessor, Revenant Kingdom, corrige praticamente todas as críticas que podem ser feitas no primeiro jogo. Ele é projetado tanto para aqueles que cresceram com o original quanto para os veteranos do gênero que querem uma experiência de RPG mais complexa. No geral, o desenvolvedor do Level-5 se inclinou um pouco mais maduro aqui, com uma história que aborda temas ligeiramente mais sombrios do que o seu antecessor. O conceito de mundos gêmeos que foi central para o último jogo permanece, com o herói Roland catapultado para Ni no Kuni nos momentos iniciais após um incidente verdadeiramente chocante. Lá ele se une ao rei-menino Evan, que busca recuperar seu trono depois de uma traição assassina que o deixa exilado de seu próprio reino – um local que os fãs do original reconhecerão. Cada personagem que eles encontram ao longo do caminho contribui significativamente para sua jornada,

O sistema de batalha também se sente aperfeiçoado, com uma mistura de combate em tempo real e ataques elementais especiais desencadeados quando certas condições são cumpridas. Cada personagem utiliza um trio de armas corpo-a-corpo e um ataque à distância, permitindo um fluxo satisfatório de combate próximo e remoto, enquanto a troca instantânea entre personagens ativos permite que os jogadores controlem todo o campo. É mais rápido e emocionante, sem sacrificar as nuances ou controlar ataques específicos.

O combate é ainda modificado por Higgledies – criaturas pequenas que os jogadores podem fazer amizade, que enxameiam como os sprites de fuligem em My Neighbor Totoro ou Spirited Away , pairando em torno do campo de batalha e permitindo que você conjure magias para causar mais dano aos inimigos. Recrutá-los também constitui uma das melhores missões secundárias do jogo, seja caçando pequenos santuários para apaziguar ‘Higgledy Heroes’ ou até mesmo fazendo-os existir como um efeito colateral do sistema de culinária.

A maior diferença que o Revenant Kingdom tem com o primeiro Ni no Kuni é a ausência do Studio Ghibli. Felizmente, a animação aqui permanece estelar, com o desenhista de personagens Yoshiyuki Momose retornando para alguma continuidade visual, e o fiel Joe Hisaishi, do Ghibli, mais uma vez entregando a música – uma linda suíte do renomado compositor.

Algumas pequenas reclamações – andar pelo mundo entre os lugares-chave parece lento, as legendas ao tocar com áudio japonês às vezes são imprecisas – não pode diminuir o fato de que Revenant Kingdom é um bom e digno sucessor do trono de Ni no Kuni . Um RPG maravilhoso e imaginativo que não fala mais para o seu público.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close