Últimas Notícias

China vende falsidades para esconder a origem da pandemia de Covid

O educado cientista alemão nunca imaginou se tornar uma estrela da propaganda chinesa.

Mas Alexander Kekulé, diretor do Instituto de Pesquisa de Biossegurança em Halle, Alemanha, tem estado em toda a mídia estatal na China nos últimos dias. A mídia tirou a pesquisa do Dr. Kekulé do contexto para sugerir que Itália, não a China, é onde a pandemia do coronavírus começou. Fotos dele apareceram em sites de notícias chineses com manchetes que diziam: “A China é inocente!”

Dr. Kekulé, que disse repetidamente que acredita no vírus emergiu pela primeira vez na China, ele ficou chocado. “Isso é pura propaganda”, disse ele em uma entrevista.

Enfrentando a ira global por seu manuseio incorreto inicial Após o surto, as autoridades chinesas estão agora tentando reescrever a narrativa da pandemia, promovendo teorias de que o vírus se originou fora da China.

Nos últimos dias, as autoridades chinesas disseram que comida embalada do exterior poderia ter inicialmente trazido o vírus para a China. Cientistas publicaram um artigo que postula que a pandemia pode ter começado na Índia. A mídia estatal publicou histórias falsas deturpando especialistas estrangeiros, incluindo o Dr. Kekulé e funcionários da Organização Mundial da Saúde, por dizerem que o coronavírus veio de outro lugar.

A campanha parece refletir a ansiedade dentro do Partido Comunista no poder sobre os contínuos danos à reputação internacional da China causados ​​pela pandemia. Autoridades ocidentais criticaram Pequim por tentar esconder o surto logo que estourou.

O partido também parece ansioso para turvar as águas enquanto a Organização Mundial de Saúde começa uma investigação sobre a questão de como o vírus passou dos animais para os humanos – uma investigação crítica que os especialistas dizem ser a melhor esperança para prevenir outro. pandemia. China, que expandiu enormemente sua influência no W.H.O. nos últimos anos, tem esforço estritamente controlado nomeando cientistas chineses para liderar partes importantes da pesquisa.

Ao espalhar teorias de que os estrangeiros são responsáveis ​​pela pandemia, o partido está implementando um manual bem gasto. O governo chinês raramente está disposto a abordar publicamente suas próprias deficiências, muitas vezes preferindo redirecionar a atenção para outro lugar e unir o país contra um inimigo comum.

O líder da China, Xi Jinping, liderou um esforço vigoroso este ano para minimizar as falhas iniciais de seu governo na crise. discutindo que o sucesso do partido em conter o vírus mostra a superioridade de seu sistema autoritário.

A última campanha de propaganda dá a Xi outra chance de atiçar o sentimento nacionalista e se distrair de problemas amargos, incluindo um persistente lacuna de riqueza. O governo parece cauteloso em solicitar um novo escrutínio de suas ações quando a pandemia começou a se manifestar, dizem analistas.

Xi provavelmente vê os erros do partido como uma vulnerabilidade e está ansioso para evitar desafios potenciais à sua autoridade em casa, disse Erin Baggott Carter, professora assistente de ciência política na Universidade do Sul da Califórnia. “Se Xi puder escapar da culpa pelo coronavírus, isso reduzirá uma grande fonte de descontentamento com seu governo”, disse ele.

De certa forma, a estratégia da China se assemelha esforços por legisladores dos EUA para desviar a atenção de erros nesse país espalhando teorias marginais, incluindo o noção infundada que o governo chinês fabricou o vírus como uma arma biológica.

Por meses, as autoridades chinesas espalhar abertamente teorias da conspiração própria, sugerindo em certo ponto que os militares dos EUA poderiam ter trazido o vírus para a cidade de Wuhan. Especialistas e funcionários agora vão além, tentando dar a falsidades sobre as origens do vírus o verniz de fato científico.

Um artigo recente de um grupo de cientistas afiliado à Academia de Ciências Chinesa, estatal, indicou que o vírus pode ter se espalhado na Índia antes de se espalhar para a China. “Wuhan não é o lugar onde a transmissão de pessoa para pessoa do SARS-CoV-2 ocorreu pela primeira vez”, disse o documento, que apareceu no mês passado no SSRN, um repositório acadêmico online. O artigo, que não foi revisado por pares, foi submetido ao The Lancet, uma revista médica, para publicação.

Depois de chamar a atenção da mídia chinesa e internacional, o artigo de 22 páginas desapareceu dos sites online. Uma porta-voz do The Lancet disse que ele foi removido do SSRN a pedido dos autores do artigo. Os cientistas não responderam aos pedidos de comentários.

O artigo foi o último de uma série de comentários e artigos de cientistas chineses argumentando que o vírus apareceu pela primeira vez na Itália, Espanha ou em outro lugar antes de se espalhar para a China.

Enquanto estudos recentes indicaram que o coronavírus pode ter infectado pessoas nos Estados Unidos e em outros lugares antes do que se pensava, os pesquisadores ainda acreditam que a explicação mais provável é que ele começou a circular na China.

Edward Holmes, professor da Universidade de Sydney que estudou o coronavírus, disse que a ideia de que o vírus se originou fora da China parece estar ganhando força para fins políticos. “Ela carece de credibilidade científica e apenas alimentará teorias da conspiração”, disse ele.

Como parte de seus esforços para redirecionar a atenção para outros países, acadêmicos e funcionários chineses reviveram nas últimas semanas outra teoria não comprovada: que pacotes de alimentos congelados do exterior trouxeram o vírus para a China. Autoridades chinesas afirmam ter detectado o vírus em carne suína da Alemanha, camarão do Equador, salmão da Noruega e outros produtos.

Embora a Organização Mundial da Saúde afirme que a probabilidade de infecção pelo contato com alimentos e embalagens de alimentos é baixa, as autoridades chinesas dobraram a teoria.

“Cada vez mais evidências sugerem que frutos do mar congelados ou produtos à base de carne podem espalhar o vírus de países com epidemia para o nosso país”, disse Wu Zunyou, epidemiologista chefe do Centro para Controle e Prevenção de Doenças da China, em uma entrevista recente postado em um site do governo.

Mesmo que o vírus pudesse se espalhar por meio de produtos congelados, os especialistas dizem que os alimentos embalados por si só não podem explicar por que o primeiro grande surto ocorreu em Wuhan.

Enquanto busca divulgar suas teorias no cenário mundial, o governo chinês distorceu comentários de especialistas estrangeiros para sugerir falsamente que há um amplo consenso de que o vírus apareceu pela primeira vez fora da China.

Michael Ryan, diretor de emergências da Organização Mundial de Saúde, falou recentemente sobre a necessidade de pesquisas rigorosas sobre como o vírus se espalha de animais para humanos. “Precisamos começar onde encontramos os primeiros casos, em Wuhan, na China”, disse Ryan em uma entrevista coletiva no mês passado em Genebra.

Mas na China, o governo formulou os comentários de Ryan de forma diferente. A mídia alegou falsamente que ele havia dito que o vírus existia em todo o mundo, mas que foi descoberto em Wuhan.

O Dr. Ryan foi mais explícito alguns dias depois, dizendo que a ideia de que o vírus se originou fora da China era “altamente especulativa”. A mídia oficial da China não divulgou esse comentário.

Quando Kekulé, o cientista alemão, apareceu em um noticiário de televisão no mês passado para falar sobre a pandemia, ele enfatizou dizendo que estava claro que o vírus havia surgido pela primeira vez na China. Durante a entrevista, ele também criticou as autoridades europeias por demorarem muito para detectar o vírus, dizendo que isso permitiu à Covid-19 se espalhar pelo mundo.

A mídia chinesa aproveitou esses últimos comentários. “Ele observou que, para uma pandemia global, o tiro inicial foi disparado no norte da Itália”, disse um relatório pela China Global Television Network, um braço internacional da emissora estatal oficial chinesa.

O Dr. Kekulé, que escreveu um livro sobre a pandemia, ficou perturbado e começou a corrigir o registro, voltando à televisão alemã para dizer que havia sido citado incorretamente.

“A China usa tudo para propaganda”, disse Kekulé em uma entrevista. “Comecei a perceber que tinha que fazer algo a respeito.”

Mas os esforços do Dr. Kekulé foram em grande parte em vão. Clipes de vídeo de seus comentários sobre a Europa já haviam sido amplamente divulgados na Internet chinesa. Milhares de pessoas compartilharam artigos na mídia estatal sobre sua investigação, deixando comentários como: “Obrigado, 1 bilhão de pessoas na China!” e “Não há muitos cientistas que ousem dizer a verdade.”

Uma frase simples apareceu escrita em vermelho no rosto do Dr. Kekulé em um meme que circulou online: “Não é Wuhan.”

Chris Buckley contribuiu com reportagem. Albee Zhang contribuiu com pesquisas.

Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo