Últimas Notícias

Da cidade bombardeada da Etiópia, médicos contam as mortes e pedem ajuda

ADDIS ABABA, Etiópia – Depois que as forças militares etíopes capturaram a capital da região rebelde de Tigray no último fim de semana, o primeiro-ministro Abiy Ahmed se gabou de que suas forças haviam alcançado a vitória sem matar um único civil.

Mas os médicos do principal hospital da cidade atendidos na quinta-feira pintaram um quadro muito diferente: bombardeios indiscriminados de artilharia em áreas civis, saques por atiradores e a morte de pelo menos 27 civis e os ferimentos de mais de 100.

Seu depoimento ofereceu um raro vislumbre das condições cada vez mais terríveis em uma cidade que está em grande parte isolada do mundo exterior desde Abiy lançou uma operação militar contra Tigray em 4 de novembro.

No sábado, Abiy, vencedor do Prêmio Nobel da Paz do ano passado, declarou vitória após suas forças apreendeu a capital regional, Mekelle, uma cidade nas terras altas de 500.000 habitantes que até recentemente era a sede da Frente de Libertação do Povo Tigray na região.

Dois dias depois, na segunda-feira, o Sr. Abiy proclamou ao Parlamento Etíope que as forças federais não tinha matado um único civil durante um mês de combates em Tigray.

Mas as conexões de telefone e Internet com o Tigray foram cortadas em grande parte, tornando difícil verificar as alegações conflitantes dos beligerantes. E rapidamente ficou claro que a reivindicação de vitória de Abiy era prematura.

As forças de Tigrayan disseram que se retiraram de Mekelle para evitar a destruição da cidade e que continuarão lutando nas áreas rurais vizinhas, um primeiro passo no que pode acabar se transformando em uma prolongada campanha de guerrilha.

Em entrevistas separadas, dois médicos do maior hospital da região, o Ayder Referral Hospital, insistiram que as realizações de Abiy estavam longe de ser incrédulas.

Uma enxurrada de projéteis na manhã de sábado, horas antes de Mekelle ser capturada pelas tropas federais, caiu sobre alvos civis e militares, disseram médicos. Ambulâncias percorriam as ruas transportando mortos e feridos. À noite, pelo menos 27 civis foram mortos, incluindo um menino de 4 anos, e mais de 100 feridos, disseram.

Os médicos, que falaram sob condição de anonimato para evitar retaliações do governo, enviaram mensagens de texto e falaram por meio da conexão de internet via satélite de um organismo internacional da cidade.

Eles forneceram cópias de carteiras de identidade e outros documentos para provar seu emprego no hospital e negaram qualquer afiliação com a Frente de Libertação do Povo Tigray.

Um forneceu fotos de pacientes feridos no hospital que, segundo ele, foram atingidos pelo atentado: bebês com corpos cobertos por estilhaços, um homem com a cabeça ensanguentada, uma mulher deitada de bruços com a perna engessada.

Agora, uma calma tensa reina na cidade, disseram os médicos. A eletricidade foi cortada, envolvendo a cidade na escuridão à noite. Homens armados saquearam lojas, forçando muitos a fechar.

No Hospital Ayder, a grave escassez de oxigênio e suprimentos médicos básicos impossibilitou a cirurgia para salvar vidas para os feridos. Os médicos pediram ajuda internacional para aliviar o que chamaram de situação crítica.

No domingo, funcionários da Cruz Vermelha que visitaram o hospital relatado Ele estava “perigosamente sem luvas”, antibióticos, analgésicos e bolsas para corpos.

Pelo menos 80% dos pacientes do hospital sofreram ferimentos traumáticos, disse a Cruz Vermelha, mas se recusou a especificar o número de pacientes que foram internados. Na quinta-feira, uma porta-voz da Cruz Vermelha se recusou a fornecer mais detalhes.

Uma porta-voz de Abiy não respondeu às perguntas sobre a disparidade entre suas alegações de que não houve vítimas civis e as contas do hospital.

A decisão de Abiy de lançar operações militares em Tigray, uma região ao norte com pelo menos seis milhões de habitantes, foi o culminar dramático de uma disputa política latente com o partido governante Tigray. O T.P.L.F. Governou a Etiópia por 27 anos até que Abiy chegou ao poder em 2018, e seus líderes desafiaram abertamente sua autoridade em setembro, realizando eleições regionais, que foram adiadas no resto da Etiópia devido à pandemia.

O blecaute de comunicações tornou difícil avaliar a escala dos combates. Mas, de acordo com a maioria das estimativas de diplomatas e trabalhadores humanitários ocidentais, milhares de civis e combatentes morreram, alimentando o temor de que o segundo país mais populoso da África esteja mergulhando de cabeça em uma guerra civil ruinosa.

A situação em Mekelle é apenas um elemento de uma crescente crise humanitária.

Pelo menos 45.000 etíopes fugiram de Tigray para o leste do Sudão, onde muitos vivem em acampamentos miseráveis ​​com comida e água limitadas. Grupos de ajuda alertam que outros 100.000 refugiados podem seguir nos próximos seis meses se o conflito continuar.

Mesmo antes do início das hostilidades no mês passado, 600.000 pessoas em Tigray dependiam de ajuda alimentar para sobreviver. Trabalhadores humanitários dizem que os suprimentos estão acabando para quase 100 mil refugiados eritreus que vivem em campos em Tigray, que fugiram da repressão em seu próprio país.

Na quarta-feira, as Nações Unidas disseram que chegaram a um acordo com as autoridades etíopes para fornecer “acesso livre, sustentado e seguro” para a entrega de ajuda de emergência às partes controladas pelo governo de Tigray.

A empresa estatal de telecomunicações da Etiópia disse na quarta-feira que restaurou parcialmente as comunicações em várias cidades controladas por militares no oeste de Tigray. Mas a frágil situação de segurança provavelmente prejudicará os esforços de socorro.

Na quinta-feira, um porta-voz das Nações Unidas em Nairóbi expressou “extrema preocupação” sobre um relatório que quatro etíopes que trabalhavam para duas agências internacionais de ajuda foram mortos em Tigray em circunstâncias pouco claras.

Em Mekelle, os dois médicos disseram que a situação ficou tensa nos últimos dias.

Bandos de jovens à paisana percorriam as ruas. Muitas estradas foram bloqueadas com grandes pedras. Houve forte presença das forças de segurança federais.

Simon Marks relatou de Addis Ababa, Etiópia, e Declan Walsh, de Nairobi, Quênia.

Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo