Últimas Notícias

Não é país para homem algum

Jenna wortham

Wesley, você sabe que sou alguém que não acredita em spoilers.

Wesley Morris

Não entendo, mas é algo que aprendi a amar com você, sim.

Jenna wortham

Este é um tiro controverso. Esta é uma opinião controversa. Para a maioria das coisas, realmente não me incomoda saber o resultado. Isso não tira meu prazer. Na verdade, reduz um pouco minha ansiedade, especialmente quando os filmes são rápidos ou cheios de suspense. Só me acalma saber o que está por vir. Dito isso, existem algumas exceções a essa regra. “Survivor” e “Drag Race”. Eu não quero spoilers de GD.

Wesley Morris

[LAUGHING]

Jenna wortham

Vamos ter alguns problemas, ok? Estou falando principalmente sobre o Twitter.

Wesley Morris

Está bem.

Jenna wortham

Portanto, tudo isso é um preâmbulo, um prefácio completo para dizer que faremos algo que ambos adoramos fazer neste podcast, que é um mergulho tão profundo em um filme que teremos de estragar tudo . E esse filme é “The Promising Young Woman”, do Oscar Sugar Baby, escrito e dirigido por Emerald Fennell.

Wesley Morris

Sim, ela foi indicada para vários prêmios da Academia, incluindo Melhor Diretor, Melhor Filme, Melhor Atriz por Carey Mulligan, que interpreta a jovem promissora do título, uma das jovens promissoras do título.

Jenna wortham

E você e eu não podemos parar de falar um com o outro sobre este filme, o que é um sinal para nós de que temos que descobrir isso na sala.

Wesley Morris

sim.

Jenna wortham

Então, só um aviso, olhe, este filme está escuro. Este filme é violento. Inclui violência sexual. E vamos falar sobre tudo isso. E só queremos prepará-lo para isso porque o amamos e respeitamos, e só queremos que você tenha bons sentimentos enquanto ouve o show. Mas esperamos que você se junte a nós de qualquer maneira, porque vai ser uma conversa muito boa.

Wesley Morris

Sim, você também não precisa ter visto este filme para ouvi-lo. Poderíamos até ter essa conversa em vez de você assistir ao filme. Recomendo que assistam porque acho que vale a pena assistir, mas não vamos estragar o filme, vamos melhorá-lo.

Jenna wortham

sim.

Wesley Morris

– sua experiência a esse respeito.

Jenna wortham

Sim, é uma boa maneira de colocar isso.

Wesley Morris

Eu sou Wesley Morris.

Jenna wortham

Eu sou Jenna Wortham.

Wesley Morris

Somos dois escritores culturais do The New York Times.

Jenna wortham

E isso ainda está em andamento.

[music]
Jenna wortham

O início do filme. Um bando de caras idiotas em um bar falando sobre enganar garotas.

gravação arquivada (locutor 1)

[INAUDIBLE] para um clube de strip.

gravação arquivada (locutor 2)

O que não podemos mais fazer.

gravação arquivada (locutor 1)

Exatamente. Não podemos nem …

Wesley Morris

Sim, o que você está basicamente olhando são esses caras de terno. Eles são como consultores ou jovens executivos de nível médio. E eles espionam esta mulher do outro lado do bar como se ela estivesse deitada em um banquinho, e ela realmente parece estar em apuros.

Jenna wortham

Direito.

Wesley Morris

Suas pernas estão um pouco abertas.

Jenna wortham

Seus olhos estão fechados.

Wesley Morris

Sim, essa mulher é interpretada por Carey Mulligan. Ela está tentando descobrir o que exatamente está acontecendo aqui. Ela está tão fora de si. Ela está bêbada ou algo assim.

Jenna wortham

E ela está entrando em colapso. Ela está tendo dificuldade em se manter de pé. E esses homens, que são essencialmente descritos como um bando de tubarões, começam a descobrir quem será aquele que tentará trazê-la para casa.

gravação arquivada (jerry)

Eu irei.

gravação arquivada (meninos de terno)

Oh.

Jenna wortham

E então o personagem Adam Brody diz, eu vou dar uma olhada nele.

gravação arquivada (jerry)

Para ver se está tudo bem.

gravação arquivada (meninos de terno)

Sim, não, claro.

Jenna wortham

Acho que, da maneira como este filme começa, qualquer pessoa que já foi a um bar já participou da cultura da festa, até mesmo da cultura do happy hour, que está tão profundamente arraigada na cultura do trabalho. Americano, ele se lembra de se entregar ao excesso ou de ver alguém que já . E apenas traz todas essas memórias de tempos em que não tomamos grandes decisões sobre nosso próprio hábito de beber e beber em excesso. Então eu sinto que meu estômago aperta quando vejo essa cena e memórias desagradáveis.

Wesley Morris

Ele pergunta se ela pode ir para casa tomar outra bebida.

Jenna wortham

sim.

Wesley Morris

Ela já está muito espancada.

gravação arquivada (cassandra)

Você mora sozinho?

gravação arquivada (jerry)

Não, mas minha colega de quarto está fora da cidade, então não se preocupe.

Jenna wortham

Enfim, agora eles estão se beijando. E –

Wesley Morris

Bem, não, não. Ele a está beijando. Ela … sua boca não faz nada. A boca dele está fazendo tudo, e a boca dela não se move.

Jenna wortham

Direito. Portanto, o que estamos vendo é alguém realmente pressionando por consentimento. Ela está aqui. Ela não está realmente acordada. Ela não está realmente ereta. E esse cara está aproveitando ao máximo a situação. E é realmente nojento de assistir.

gravação arquivada (jerry)

Oh sim.

Wesley Morris

Então agora eles estão em sua cama. E agora ele está tentando despi-la.

Jenna wortham

Ele a está despindo.

gravação arquivada (jerry)

Não vá dormir.

gravação arquivada (cassandra)

[INAUDIBLE].

Wesley Morris

A cueca dela está abaixada.

gravação arquivada (jerry)

Deus, você é tão bonita.

Wesley Morris

Está entre suas pernas.

Jenna wortham

Esta é uma das cenas mais estranhas do filme.

gravação arquivada (jerry)

Ei, está tudo bem. Tem certeza. Shh.

gravação arquivada (cassandra)

O que você está fazendo?

Wesley Morris

O que você está fazendo?

Jenna wortham

E agora a música está se intensificando. Seus olhos se arregalam, claros como o dia. Acontece que Homegirl está sóbria. Ela se senta, olha para o rosto morto dele e diz, ei …

gravação arquivada (cassandra)

Eu disse o que você está fazendo?

Jenna wortham

Sua sobriedade de olhos claros é a coisa mais assustadora do mundo para este homem. E olhe para cima com horror. Ele é como o quê? E então chegamos aos cartões de título.

Wesley Morris

Essa é a nossa salva de abertura neste filme.

Jenna wortham

Mas percebemos que tudo o que pensamos sobre ela, todas as nossas impressões iniciais dela, devem ser reavaliados.

Wesley Morris

Direito. E você vai para casa, pega um caderno e está cheio de centenas de marcas de contagem. E então você percebe que Adam Brody nesta primeira cena é apenas o enésimo cara com quem ele fez esse movimento.

Jenna wortham

Direito.

Wesley Morris

Ele também entende que há algo estranho no que estamos vendo. Essa é a vida inteira desse personagem: mirar em garotos e marcá-los obsessivamente. E você quer saber para onde vai a seguir.

Jenna wortham

Adoro a cena em que você vê o caderno, porque ela está nesse tradicional quarto feminino.

Wesley Morris

Seu quarto quando menina.

Jenna wortham

Sim, o que parece ser o quarto de sua infância. Torna-se muito evidente e claro que o plano de Cassie de continuar ensinando uma lição a esses homens, e suponho que deixá-los sóbrios, é tudo com o que ela se importa. E eu realmente amo a subversão da cena, porque você simplesmente pensa: eu amo filmes que dizem a você desde o início exatamente sobre o que serão. E este filme não é um país para homem algum. Tipo, simplesmente não há redenção. Hashtag “todos os homens”. Você sabe, existe uma hashtag que diz que nem todos os homens deveriam ser redentores. E nem todos os homens são sexistas, estupradores, etc., etc. E esse filme faz a pergunta, bem, e se todos os homens, e todos os homens contiverem, e todas as pessoas realmente contiverem o germe, a semente, a possibilidade de serem pessoas más e prejudiciais, certo? E esse filme levanta a questão: e se não houver homens bons no mundo em que Cassie vive? E é um pensamento tão fascinante.

Wesley Morris

Sim, acho que isso funciona como um conto de fadas. E estamos em uma espécie de reino antigo. E dentro desse conto de fadas está a questão da moralidade sobre os homens e seu comportamento. E é um thriller, como iremos descobrir, com uma trama de verdadeiro suspense. Além de ser um conto de fadas, uma peça moral e um thriller, também é apenas um rom-com de 1999 ou 2004. E Cassie trabalha em uma cafeteria com sua melhor amiga, interpretada por Laverne Cox, e seu chefe, aliás. E um dia chega uma pessoa que reconhece Cassie.

Jenna wortham

Então, um cara chamado Ryan entra. E Ryan é um ex-colega de classe da faculdade de medicina. Mas também tenho que falar muito rápido sobre o que vai acontecer a seguir, porque ele está tentando flertar com ela. Ela não tem interesse. Ela não está tentando mexer com ele. Ela não está tentando se comprometer com ele. E ele diz brincando, não sei, cuspiu no meu café. Ela o faz, entrega-lhe o copo e ele bebe. Agora não sei por que nem todo mundo fala sobre essa cena. Foi no. Eu estava confuso. Fiquei horrorizado. Eu estava animado. Ele estava realmente interessado.

E também sinto que talvez as pessoas saibam o que fazer com isso, mas eu … senti um sinal muito claro sobre as intimidades que vão compartilhar e que compartilharam. E isso é descartado como aquele atrevido, estranho – essa ideia deveria ser, talvez, de quão DGAF essa mulher é. Ela simplesmente não tem nada para dar por ninguém, nenhum esforço para dar por ninguém. É uma dica do ponto fraco onde você mora.

Wesley Morris

Quer dizer, a coisa sobre aquela cena é que também está se estabelecendo, como se toda a escrita nítida neste filme fosse entre essas duas pessoas. A conversa deles é uma piada de rom-com polida para um brilho. E Bo Burnham, por falar nisso, é o ator que interpreta Ryan. E ele é ótimo apenas por ser o homem perfeito em um tipo de comédia romântica. Ele é um bom menino aparentemente não ameaçador. É isso que ele emite. E caso você duvide do bom sujeito que ele é, ele não é um médico qualquer. Ele é um cirurgião infantil.

Jenna wortham

É suposto entrar no filme como um contraste com a visão de mundo de Cassie de que todos os homens são terríveis, todos os homens são um lixo. Ele trabalha para mim como um N.P.C., como um personagem não jogável em um videogame. É como papel de parede.

Wesley Morris

Mas há algo importante em apresentar esse personagem Ryan. Ele tem um ponto da trama realmente crucial em seu bolso que deve dar a Cassie, que é que um velho amigo dela da faculdade de medicina está de volta à cidade. E todas essas crianças estavam na escola de medicina juntas: Ryan, esse garoto Al, Cassie e sua melhor amiga, Nina. E quando eles estavam juntos na escola, eles estupraram Nina em uma festa enquanto ela estava bêbada e ninguém fez nada a respeito. A polícia não faz nada. A escola não faz nada. Está simplesmente enterrado. E Nina fica tão traumatizada que se retrai.

E, aparentemente, Cassie é uma amiga extra, extra boa, porque ela abandona a escola para cuidar de Nina. E o trauma de tudo isso, o peso da agressão, o fato de ninguém fazer nada a respeito, é demais para Nina e ela se suicida. E tudo isso é o que manda Cassie profundamente dentro dela, nessa busca para atrair os caras aos bares para envergonhá-los e se vingar, não de um homem específico, mas da cultura da misoginia que facilita esses ataques. e ajuda a enterrá-los assim que vierem à luz.

E acho que o que você deve deduzir das pontuações e das pontuações das contagens concluídas é que de alguma forma isso está funcionando para ela, certo? Não funciona para ela, mas é uma forma de cortar. É uma forma de bulimia. É como uma espécie de autoagressão. Acho que você está tentando preencher um buraco cuja profundidade você não conhece. Mas também acho que a forma como este filme funciona é tão legal que, claro, acho, na sua opinião, uma experiência bem-sucedida em …

Jenna wortham

sim.

Wesley Morris

Na terapia, certo? Porque o filme em si é tão bacana, e nem um fio de cabelo está fora do lugar, por assim dizer, na maneira como funciona. O filme é uma máquina e está bem oleado.

Jenna wortham

Sim, estou pensando no que você disse sobre automutilação. Quer dizer, ela não é realmente capaz de processar de uma forma que consideraríamos saudável. Ela não é capaz de qualquer tipo de sobriedade emocional, ou intimidade saudável, ou mecanismos de enfrentamento saudáveis ​​que estão realmente envolvidos nesta interação de manipulação e dinâmica de poder.

Mas eu também diria que acho que o que estamos testemunhando é uma crítica às poucas ferramentas que existem. Não equipamos mulheres com ferramentas. Não equipamos as pessoas com ferramentas para lidar com os danos e descobrir como contorná-los, descobrir para onde se virar e nos sentir apoiados enquanto tentam lidar com danos indescritíveis. E para mim ver isso é realmente um comentário sobre a falta de infraestrutura e apoio para mulheres como Cassie e Nina que estão sofrendo como sobreviventes.

Wesley Morris

E então o projeto de Cassie muda neste ponto, porque este ex-colega da escola de medicina na cidade, Al Monroe é seu nome completo. Ele é o cara que vai se casar e também estuprou a Nina. Então, Cassie vai desde alvejar esses caras nos bares, esses estranhos aleatórios para ensiná-los uma lição, para almejar as pessoas envolvidas no estupro de Nina e acobertamento de seu estupro, incluindo o reitor desta faculdade de medicina, que é interpretado por –

Jenna wortham

Sra. Treinadora! F.N.L. para sempre. Siga, continue.

Wesley Morris

Sim, Connie Britton é reitora da faculdade de medicina. [DOOR CLOSES]

gravação arquivada (dean walker)

Margarida.

gravação arquivada (cassandra)

Esse sou eu.

gravação arquivada (dean walker)

Dean Walker, por favor, sente-se.

Jenna wortham

Ela realmente aperfeiçoou aquele ar polido de indiferença de uma administradora de escola que, tipo, está totalmente alheia à realidade do ambiente que está dominando.

gravação arquivada (cassandra)

Talvez você se lembre de Alexander Monroe?

gravação arquivada (dean walker)

Oh sim, Alexander Monroe. Na verdade, ele acabou de voltar e deu uma palestra aqui.

Wesley Morris

O reitor diz, ah, aquele cara, Al, é maravilhoso. Ele é um cara ótimo.

gravação arquivada (dean walker)

Você é amigo dele?

gravação arquivada (cassandra)

Não. Então você não se lembra das acusações feitas contra Al Monroe?

Jenna wortham

E então Cassie, agora mesmo, uma garota está criando sua amiga Nina Fisher. E você pergunta ao reitor, você se lembra desse relato de incidente de agressão sexual em que vários homens, vários desses estudantes …

gravação arquivada (cassandra)

Bêbado demais para ter ideia do que estava acontecendo.

Jenna wortham

– Ele estuprou e agrediu meu amigo. E ela relatou isso. E o reitor diz, oh meu Deus. Bem, quem presidiu o caso?

gravação arquivada (cassandra)

Vocês. Ele sentiu que não havia evidências suficientes. Você disse que era muito do que ele falou, ela disse que era uma situação.

gravação arquivada (dean walker)

Bem, recebemos acusações como essa o tempo todo. Um ou dois por semana.

Wesley Morris

Nós os enterramos o tempo todo!

gravação arquivada (dean walker)

Sim, quero dizer, porque o que você quer que eu faça? Arruinar a vida de um jovem toda vez que recebemos uma acusação como essa?

Jenna wortham

Essa linguagem é realmente preocupante porque a linguagem privilegia a experiência dos homens sobre a das mulheres.

Wesley Morris

Direito.

Jenna wortham

Por que existe tanto apoio para homens como Al Monroe, e nenhum apoio para Nina Fisher, que está realmente morto?

gravação arquivada (cassandra)

Eu acho que você fez a coisa certa. Temos que dar a esses caras o benefício da dúvida. Então eu sei que você não vai se importar, mas três horas atrás, peguei sua filha Amber na escola e a apresentei aos meninos que moram naquele quarto agora.

gravação arquivada (dean walker)

Aquele?

Jenna wortham

Então, aqui estamos começando a ver o quão sociopata Cassie é. E essa é a parte que mais amo nesse filme por esse motivo.

Wesley Morris

Esta é sua cena favorita?

gravação arquivada (cassandra)

Mas tenho certeza que eles vão cuidar bem de sua filha.

Jenna wortham

Sim, porque Cassie vai estabelecer como ela vai se vingar do reitor, certo? Você vai usar sua própria lógica defeituosa contra você.

gravação arquivada (cassandra)

Ela é muito bonita, hein? Parece muito mais velho do que é.

gravação arquivada (dean walker)

Não acredito em você.

gravação arquivada (cassandra)

Percebi que eles também tinham algumas garrafas de vodka no quarto. Mas tenho certeza que eles vão cuidar bem de sua filha. Na verdade, ela parecia animada.

Wesley Morris

Uma vez que o reitor descobre que Cassie potencialmente fez algo horrível para sua filha,

gravação arquivada

[PHONE VIBRATING]

Wesley Morris

– a dinâmica do poder muda totalmente.

gravação arquivada (dean walker)

Ela é uma jovem garota.

gravação arquivada (cassandra)

Eu me pergunto se ele parece tão jovem para esses caras.

Wesley Morris

E o reitor de repente se sente exausto e assustado.

gravação arquivada (dean walker)

diz-me que [EXPLETIVE] sala em que ele está. Agora!

Wesley Morris

E por falar nisso, a música começa a subir. A música de terror deste filme: existem dois modos de música.

Jenna wortham

É tão bom.

Wesley Morris

O modo de música número um é a trilha sonora, principalmente a trilha sonora de uma canção pop. E essa música profunda, sombria e voltada para o terror.

Jenna wortham

Você também está expondo como a sociedade vê algumas pessoas como dispensáveis ​​e outras não, certo? O reitor está profundamente preocupado com sua filha, mesmo que ela não esteja muito preocupada com Cassie ou Nina. E você está expondo a fragilidade de sua lógica. E é tão delicioso. Eu sei que não falamos sobre Quentin Tarantino nesta casa, mas é assim que Uma Thurman com o agasalho amarelo aparece com uma espada de samurai tirando seu sangue, pronta. Tipo, não, estou aqui. Você vai lidar comigo.

Wesley Morris

Ele é uma pessoa muito interessante de se escolher porque a primeira pessoa que vem à mente é qualquer personagem de Glenn Close dos anos de 1985 a 1988 ou 1990.

Jenna wortham

O coelho na panela, sério? “Atração Fatal”? É para lá que você está indo?

Wesley Morris

Sim, este é um jogo de moralidade reversa altruísta sobre o tipo de vingança que uma pessoa como Glenn Close em “Atração Fatal” assume contra Michael Douglas, certo? Ela aparece no apartamento de Michael Douglas. Quando ele chega em casa, ela está lá e conversa com sua esposa e filhas em casa.

Jenna wortham

Tão bom.

Wesley Morris

O que você vê quando Glenn Close entra na vida doméstica de Michael Douglas, seu casamento, essencialmente, é que devemos entender que essa mulher está se desintegrando de alguma forma. E o que a “jovem promissora” faz é o contrário disso, que já sabemos que esta mulher está desmoronando. Estamos assistindo ela construir esse colapso em uma narrativa de suspense, essencialmente uma que depende inteiramente de se vingar de si mesma e de sua amiga.

Jenna wortham

Acho que o que realmente acho fascinante é que o filme nos mostra o que acontece em uma comunidade quando você não reconhece a violência e não reconhece os danos. E gosto de pensar na responsabilidade da comunidade, certo? A cena é realmente sobre o fracasso da instituição em proteger as mulheres, em proteger Nina, em proteger Cassie, em não seguir adiante e não ter procedimentos. E é também sobre os sentimentos, as formas como as deficiências de, cito, um sistema de justiça criminal ou uma estrutura de justiça prisional falham com as pessoas que deveriam se beneficiar deles, certo?

Mesmo que esse Al Monroe tivesse sido punido, ainda seria insuficiente porque não há … Nina ainda está morta, certo? Nina ainda foi atacada. Mas também fala sobre as maneiras pelas quais essa comunidade em particular não envolveu essas mulheres. Desde o ano passado, fiquei muito interessado em ler sobre justiça restaurativa e práticas de justiça transformacional. E uma das organizações que tenho seguido e prestado atenção é o Project Audre Lord. E falam muito sobre como se dá atenção aos momentos de violência, principalmente a violência de gênero, e essas rupturas na comunidade que são causadas por danos. Eles têm que ser curados na ação coletiva. Eles têm que ser curados juntos. E o que estamos testemunhando é alguém que foi tão condenado ao ostracismo por este evento que ninguém quer falar sobre isso, ou assumir a responsabilidade, ou mesmo reconhecer que ela já está essencialmente morta. E Cassie foi empurrada para as margens desta comunidade e desta sociedade. E o que realmente aconteceu é que eles cometeram uma espécie de assassinato social.

E uma das coisas que não é falado o suficiente para sobreviventes de assalto e abuso é a morte social que vivenciam e as formas como se tornam persona non grata, porque ninguém sabe como lidar com isso. Não estamos equipados com as ferramentas. Isso os deixa muito desconfortáveis, então eles preferem não lidar com isso. E as pessoas são simplesmente excomungadas, são expulsas ainda mais. E eu acho que esse é o ponto do filme sobre como esses incidentes são isoladores. E uma das coisas que eu acho que este filme é realmente bom de capturar é que existem muitas maneiras de morrer.

[music]
Wesley Morris

Então, vamos fazer uma pausa agora. E, quando voltarmos, falaremos sobre as maneiras pelas quais “Moça Promissora” faz parte de uma família de filmes que acha que a justiça deve ser feita para que nos sintamos bem sobre ir ao cinema. injustiça.

Jenna wortham

Então, agora estamos no terceiro ato do filme, que não é o ato final. Embora você pense que poderia ser, mas não é. É o terceiro ato do filme. E agora temos uma ideia de até onde Cassie está disposta a ir para dar os toques finais, os atos finais, a essa fantasia de vingança. Nós a vemos entrando na despedida de solteiro de Al Monroe. E ele é o cara que agrediu sexualmente sua amiga, Nina. Então, eu só quero dizer isso novamente. É quando o filme realmente muda. Fica muito sombrio. Fica muito violento, muito perturbador. E vamos falar sobre isso pelo resto do episódio. Portanto, prepare-se.

[music – funereal version of “toxic” by britney spears]
Wesley Morris

E essa cena começa com a versão mais fúnebre de “Toxic” de Britney Spears.

Jenna wortham

Eu também classificaria isso como horrorcore. É tão perturbador. Não é uma música para dançar. É uma música para estripar alguém. É muito, muito sinistro. Você dirige seu carro, estaciona e percebe que tem uma missão. Ela está sempre em uma missão, mas você percebe que essa missão tem uma camada diferente, porque quando ela sai do carro, ela tira a placa traseira. Você não quer que ninguém seja capaz de identificar a placa do carro. Então, isso já indica que ela está se envolvendo de uma maneira diferente do que antes. O tom é muito sombrio. O clima é realmente tempestuoso. É muito perturbador. Nada de bom vai acontecer nesta casa.

Wesley Morris

Nesta pequena sequência aqui, eu tenho um thriller de terror, calafrios de filme de terror. Então ela fará sua entrada nesta despedida de solteiro.

gravação arquivada (frequentador da festa)

Oh, o médico está aqui. [MEN CHEERING]

Jenna wortham

A porta se abre. Ninguém questiona a chegada dessa mulher que se presume ser uma stripper, uma dançarina, uma artista de algum tipo. Ninguém realmente se pergunta por que está lá. Ninguém pode descobrir quem a contratou, mas está profundamente enraizado na cultura que esse é o tipo de pessoa que iria aparecer nessa festa, então eles simplesmente aceitam.

Wesley Morris

sim.

Jenna wortham

Ela está vestida com uma roupa de enfermeira, uma roupa de enfermeira branca com as meias brancas grossas e estes estiletes vermelhos. E ela está usando uma peruca curta de algodão doce. Parece uma espécie de Juggalo, uma espécie de Harley Quinn.

Wesley Morris

Parece Britney Spears.

Jenna wortham

sim.

Wesley Morris

Ela se parece com Britney Spears como Harley Quinn.

Jenna wortham

E então eu amo a cena que se segue, que é que ela pega uma garrafa de vodka quente, que é o seu próprio inferno, e põe uma torneira nela. E então apenas mostra aqueles homens fazendo fila com suas bocas abertas, e ela está jogando álcool em todo o lugar. E ela também está fazendo seu próprio strip-tease. Mas é mais por pura vontade. E na minha mente, como eles são nojentos e quanto controle ela tem agora. Fiquei tentando lembrar quais imagens queriam vir à tona e o que essa mulher me lembrava, essa mulher sexy em uma fantasia de enfermeira. E eu finalmente descobri alguns dias atrás.

Wesley Morris

está bem.

Jenna wortham

É 100 por cento Janine Lindemulder. Você se lembra quem é?

Wesley Morris

Não.

Jenna wortham

A enfermeira super, super sexy na capa daquele álbum do Blink 182 e naquele vídeo “What’s My Age Again?” Lembre-se disso?

Wesley Morris

sim.

Jenna wortham

Fale sobre como definir gerações. Esse vídeo foi lançado em 1999. E Janine é uma estrela pornô também. E há algo realmente incrível em ver essa trabalhadora do sexo na MTV e esse tipo de abraço convencional. E parecia a personificação daquela super pró-mulher, super feminista, pró-sexo positivo do final dos anos 90, toda aquela energia que aquela década consumiu para mim. Mas, obviamente, à medida que envelheci, refleti sobre isso, e acho que havia uma tensão inerente entre o quanto as mulheres podiam realmente ter arbítrio sobre seu sexo e sexualidade e o quanto eu rejeitava a cultura. e quanta hostilidade houve em relação às mulheres que abraçaram sua sexualidade.

E ele entendeu isso como uma necessidade de realmente se livrar deles e deixar as mulheres serem tão sexy quanto quiserem, mas ainda vamos limitá-las às nossas próprias fantasias misóginas. Ainda vamos reduzi-los sexualmente. Ainda vamos tratá-los como merda, porque seja o que for, eles estão nos dizendo que podemos. Havia essa fusão por parte da cultura masculina de que mulheres que eram sexualmente abertas e sexualmente progressivas, e francamente positivas em relação ao sexo, podiam ser abusadas por causa dessa abertura à sua sexualidade. E eu sinto muito disso nessa cena.

Wesley Morris

E leve o solteiro para o quarto.

gravação arquivada (cassandra)

Olha, eu não tenho que fazer nada se você não quiser, mas eles só me pagam se eu subir com você.

gravação arquivada (al monroe)

está bem.

Wesley Morris

Você realmente não quer ir, o que na verdade é outra mudança para a qual você é encorajado, solicitado a ir, mas você realmente não quer.

gravação arquivada (al monroe)

Então o que eu faço?

gravação arquivada (cassandra)

Vá para a cama.

Wesley Morris

Então você subiu na cama nesta suíte master.

gravação arquivada (al monroe)

E qual é o seu nome?

gravação arquivada (cassandra)

Doce.

gravação arquivada (al monroe)

Quero dizer seu nome verdadeiro.

gravação arquivada (cassandra)

Menina. Nina Fisher.

grabación archivada (al monroe)

¿Qué dijiste?

grabación archivada (cassandra)

Dije, mi nombre es Nina Fisher.

Wesley Morris

Y él dice, esto es una broma. Quiero salir de aquí. No se siente cómodo.

Jenna Wortham

Y comienza a pedir ayuda. Y ella dice, todos tus amigos de abajo, se han desmayado. Y entonces ella ha echado a todos los chicos del piso de abajo con esta botella de – ella también es el elemento tóxico en esta casa. Así que es un círculo completo para mí.

Wesley Morris

Derecha. Sí, de nuevo, total orden. Entonces, curiosamente, ella se queda con el disfraz para todo esto. ¿Pero es un disfraz? ¿Es un disfraz? Quiero decir, una cosa de la que tú y yo no hemos hablado, en realidad, porque hemos comparado esta película con muchos otros tipos de películas y tantos géneros, pero lo que realmente es una película de superhéroes, ¿verdad?

Esta es la historia de una persona normal a la que le ha sucedido algo horrible, y la expresión de esa cosa horrible en la vida cotidiana es como este alter ego. Se convierte en esta otra personalidad. Y en este caso, esta persona es como un Avenger, por así decirlo. Y parte de ese trabajo de venganza es hacer justicia a Cassandra y a Nina, su amiga. Y hay disfraces involucrados. Y ahora aquí está en el clímax consiguiendo a su archienemigo, este tipo Al Monroe.

grabación archivada (cassandra)

Realmente, no [EXPLETIVE] llorar. Dime qué hiciste.

grabación archivada (al monroe)

Sin embargo, no hice nada malo.

Wesley Morris

¿Qué cree que fue correcto acerca de lo que hizo?

grabación archivada (al monroe)

Yo también me afectó, ¿de acuerdo? Es la peor pesadilla de todo hombre ser acusado así. [LAUGHTER]

Jenna Wortham

Ay Dios mío.

Wesley Morris

Esa no es mi línea favorita en la película, pero él se retuerce, patea y tira de sus brazos tratando de soltarse del poste de la cama. Ahora es su oportunidad.

grabación archivada (cassandra)

Quería ser médico toda mi vida. Pero últimamente, he tenido la sensación de que podría querer volver a hacerlo.

Wesley Morris

Este es el momento en que la vemos usar algo de entrenamiento médico para realizar una pequeña cirugía potencialmente en este tipo. Quiere grabar el nombre de Nina en su cuerpo.

grabación archivada (al monroe)

¡Ayúdame!

Jenna Wortham

Y cuando ella comienza a tallar su pierna, él se libera de las esposas y las cosas comienzan a ir terriblemente mal. Y este es el cuarto acto de la película. Este es el comienzo del cuarto acto de la película cuando ves hasta dónde está dispuesto a llegar este tipo para mantener intacta su reputación, cómo ven su desechabilidad. Y le cubre la cara con la almohada y empieza a gritar, cállate. Y recuerdo que me sentí incrédulo cuando comencé a ver esta escena. Realmente no la van a matar, ¿verdad? Y lo hacen.

Wesley Morris

Entonces llegas a esta escena. Se ha hecho todo este trabajo para construir hasta este momento. En la medida en que se gane algo en esta película, siento que este clímax se gana debido a la creciente tensión en toda la película.

Jenna Wortham

Derecha. Lo más poderoso y difícil de esta película es que realmente da la cantidad de tiempo. De hecho, te muestra de una manera visceral lo que se necesitaría para matar a alguien, ¿verdad? Ella está peleando, no se detendrá. Gran parte de nuestra cultura y entretenimiento populares, realmente no se ocupan de la violencia real que muestran. No siempre ves sangre. A la gente le disparan y se caen, o a alguien le cortan el cuello y se caen, o matan a una mujer y se necesitan dos segundos de una película de tres horas. Esta película dedica una gran cantidad de tiempo a la asfixia de esta mujer. Y creo que está destinado a retratar realmente que no está cambiando de opinión. Tiene la intención de aniquilar, destruir …

Wesley Morris

Esto no es negociable.

Jenna Wortham

– este cuerpo y esta persona. Sí, es una muerte innegociable.

Wesley Morris

The thing that came to mind while I watched it — and this is a wild thing to say, Jenna, but like I did think about George Floyd. I thought about George Floyd’s death. I thought about the video of his death and the way that affected people. And the fact that you were seeing a living person lose his life without interruption, it’s just a haunting thing that you never forget.

jenna wortham

I think this scene is the fulcrum for me. My excitement about this movie cooled with this scene. And I think it’s really strange to watch a movie about femicide perpetuate that very same thing. And I found it to be so unsettling. And, look, I’m not a filmmaker, but I just think there — I wonder if the point could have been made another way.

wesley morris

Sí.

jenna wortham

I just don’t know that a piece of activism about gender violence needs to sacrifice a woman to make the point. The satisfaction at different points that I enjoy throughout the movie are completely devoid in this moment and in this decision, and, frankly, for the rest of the film after this point. There’s just no possibility for redemption of this character, Al Monroe.

He is so invested in himself and his livelihood and his reputation that he’s willing to essentially kill another person to preserve himself and save himself. And he can do it with the knowledge that the culture will support him. The culture will rebound around him. Presumably, he thinks the same thing that kept him from being accountable for Nina’s rape is going to keep him from being accountable from this murder.

wesley morris

Si. And all the stuff that you’re saying about Al is realized the next morning.

grabación archivada

It was an accident.

archived recording (al monroe)

Of course it was a [EXPLETIVE] accidente.

grabación archivada

Yeah, of course it was a [EXPLETIVE] accidente. No one’s going to go to jail because no one’s ever going to find out.

wesley morris

Al, with the help of his best friend — the best friend is doing all the motivating. And they burn her body. They stand over this pyre, basically, of her burning body. And then this MF goes and gets married, and everybody’s there. Ryan even shows up. And during the reception, you hear police sirens. And you know they’re coming for Al. And Cassie has basically orchestrated this whole thing. All this evidence for the police to find to make sure these dudes would be arrested for what happened to Nina, and obviously to her. And just to be sure Ryan knew what she did, she scheduled text messages to him. The phone actually says “scheduled message.” I didn’t even know phones do that. What year is this? But the texts are basically like, “Enjoy the wedding, sweetie, love Cassie and Nina. Emoji.”

To me, what that felt like was the hand beyond the grave that happens in many a horror movie and many a thriller. There’s a moment in “Fatal Attraction” where you think Glenn Close is dead after Michael Douglas chokes her in the bathtub, then she pops up with the knife and, oh! Anne Archer, Michael Douglas’s wife, shoots her. And now she’s really dead. And what happens at the end of “Promising Young Woman” is basically a version of that. It is a hand punching up out of the grave that is essentially, in the case of this movie, meant to restore order and bring justice. And we hear the sirens, and we’re supposed to know that this is over. The cops are going to take these dudes away and arrest them. And all of these dudes who did this horrible thing to her friend Nina, and to her — soon they’ll find that out, too — they’re all going down.

jenna wortham

Derecha. And so when we’re watching the wedding and we’re watching these dudes in their khaki colored suits, and these elaborate cheese spreads, and floral crowns, and this bougie outdoor setting, you hear the siren of the police. And it’s supposed to fill the viewers with this relief. Lo hace. Funciona. You’re like, oh, my god. Thank god, right? There’s one side of me that’s like experiencing that relief of, quote, help. And then there’s the other part of me that’s much larger and much more sentient aware that’s like, the police? What are the police going to do? The police ain’t shit. And I was like, well, that’s also how you know this movie is made by white people, because I don’t know anybody who hears the arrival of police sirens and experiences the feeling of relief.

But the idea that somehow this is the solution to all the problems, and this is the thing, it’s like, again, for all the ways the movie is thinking beyond the box and thinking in these really inventive, new, strange ways, it’s still — it settles on a solution that is so disappointing and so unsatisfactory. And it works as a movie. But I think, yeah, as you were saying, it was like a morality fable. It’s really disappointing because that’s just not a solution. And the solution cannot involve carnage and casualties and half burnt bodies.

wesley morris

Derecha. Sí.

jenna wortham

Who’s to say that if these guys go to jail, they won’t be able to hire lawyers that get them off? They are supported and protected by an infrastructure that over and over and over again, even throughout the course of this movie, has shown up, and protected them, and kept them out of harm’s way. So why are we meant to believe now, in this final act of the film, that justice has been served?

wesley morris

Well, I keep coming back to this word tidy, right? We are a culture that really, really likes happy endings. We want to know that we got our money’s worth. And the way we know we got it is that we leave the theater not just emotionally happy, but with a sense of closure. With the sense of closure that a movie can provide that most victims of sexual assault never receive.

jenna wortham

Derecha.

wesley morris

¿Derecha?

jenna wortham

Derecha.

wesley morris

And so this movie is kind of operating at cross purposes in some ways, right? And the movie wants to be the justice while also acknowledging the appalling lack of it, right? The fact that by the end of the movie, you still have two dead women who are dead because of a culture of sexual assault.

So the other movie that came up while I was watching “Promising Young Woman” again is “Thelma & Louise.” That movie is essentially the story of a rape survivor, and, perhaps, the survivor of more than a rape. And she tries to go away for the weekend with her best friend, Thelma. And on the first night of this little mini vacation, Thelma is almost raped. And so Louise, who is the rape survivor, shoots the guy dead. Just kills him. And the two of them spend the rest of the movie on the run, but also discover that being on this journey has kind of transformed them into these powerful, badass outlaw justice warriors. And that movie, too, ends in a kind of clash of sirens and free will, and this question of, what is justice going to look like for the two of us?

jenna wortham

Sí.

wesley morris

Rather than surrender to Harvey Keitel, who is the exponent of the Arkansas state police or the F.B.I., they decide, you know what? We had it real good. And whatever we’re about to turn around and go surrender ourselves to is going to be a whole hell of a lot worse than driving this Thunderbird off a cliff. So what do they do? They drive the car off a cliff. And while they do it, their hands are clasped. They give each other a big kiss before they drive. And the shot of the car flying into the canyon is freeze framed, and there’s a fade to white, and the credits roll.

jenna wortham

Si. And as the unofficial president of the Susan Sarandon and Gina Davis fan club, I was way too young to see that movie when it came out, but I’ve since watched it several times over the last couple of years. And, yes, they do share some lineage and there is some D.N.A. in there, but the ending of “Thelma & Louise” is satisfying, even though you kind of assume they die because they drive off of a cliff. But the film doesn’t show it.

The film in that freeze frame offers a futurity that we can’t imagine, or we can’t see. And you sort of have to trust their vision for it. And I just think in “Promising Young Woman,” the directorial choices don’t allow you such an easy escape, which I guess is the point. But in “Thelma & Louise,” there’s something really incredible about these two women having gone through this traumatic experience together and deciding how they’re going to exit it together. They don’t rely on the police. They choose something else. They choose something transformative. And even if that thing ends up being death, which we don’t really know, it still feels more at their hands versus at the hands of the state or any more bad men.

wesley morris

Derecha.

jenna wortham

And “Promising Young Woman” only assumes the outcome is death and jail. You and I are really trying to take stock of a post-2020 landscape. And we’re trying to take stock of a moment in time when we have challenged our assumptions about the world we live in and the institutions, and really aggressively acknowledging that the status quo does not work. And “Promising Young Woman” still relies on the status quo. There’s just no nuance and outcome for these women, for these men.

And “Thelma & Louise” is a great movie to bring in as a companion. People should watch that alongside this movie as well. And if they have the stomach for it, watch “I May Destroy You,” which is Michaela Coel’s show that aired on HBO last year as well about a woman surviving the aftermath of sexual assault. And similarly, it is unsparing about the sheer violence that happens when someone crosses a line, right? When someone crosses a boundary and when assaults happen. But the difference between a show like “I May Destroy You” is that Michaela Coel’s character was able to start walking towards healing, and start walking towards a resolution that did not enact any more violence or harm on her precious body. And I think for a show that really disturbed me in the same way that “Promising Young Woman” disturbed me — I had to take breaks, I had to take pauses. But I felt like I was watching an artist, and I was watching a very angry young woman figure out more violence is not the answer. And I’ve become really invested in transformative justice. And there’s a great post outlining what T.J. is by Mia Mingus, who’s a disability justice advocate and a T.J, worker that lays out what it actually means to seek justice while still reducing harm, right? And, actually, if you think about it, that’s such a radical idea.

wesley morris

Sí.

jenna wortham

So much of American popular culture and film and TV is a fantasy that the police will save us. And those quintessential sirens that you hear at the end of “Promising Young Woman,” that’s something that’s been used over and over and over again to signal that the police equal safety. And this year is one of the years that we really are having a national conversation about how untrue that is for so many of us, including white women. It’s not just the most oppressed. De hecho, es cierto. And I think that’s why we’re seeing these incredible protests right now happening in the U.K. over the killing of Sarah Everett, who was killed by a police officer, right? That narrative is being reinforced, and people are actually talking about it, again, at this international level, which is really incredible.

And maybe that’s why “Promising Young Woman” feels so disappointing to me, because it just — it acts like the state is the solution when we’re coming into such a deeper knowing of how they perpetuate all the problems. And what we see happening in “I May Destroy You” is an examination of the conditions that led to that violence. And her active participation and disrupting that cycle shows us an outlet for ending it, right? And in the process, we see an outcome for this very promising young woman that does not involve death.

[music]

That’s our show, friends. Still Processing is produced at The New York Times by Elyssa Dudley.

wesley morris

Our editors are Sara Sarasohn and Sasha Weiss.

jenna wortham

Marion Lozano mixes the show.

wesley morris

And special Thanks to Lisa Tobin and Wendy Dorr.

jenna wortham

Our theme music is by Kindness. It is called “World We Start” from the album “Otherness.” And if you want more information about the things we mentioned in this episode, all those links live at nytimes.com/stillprocessing.

[music]

Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo