Últimas Notícias

O misterioso culpado molecular da dor de dente fria

Não há nada como a reação peculiar de tremor de um dente danificado exposto a algo frio – uma mordida de sorvete ou uma bebida gelada e, de repente, aquela sensação aguda e penetrante, como uma agulha perfurando um nervo.

Os pesquisadores sabem há anos que esse fenômeno é o resultado de danos à camada externa protetora do dente. Mas tem sido difícil descobrir como a mensagem vai da parte externa do dente para os nervos internos. Na sexta-feira, biologistas relatado na revista Science Advances Eles identificaram um jogador inesperado nesta sensação dolorosa: uma proteína embutida na superfície das células dentro dos dentes. A descoberta fornece um vislumbre da conexão entre o mundo externo e o interior de um dente e pode um dia ajudar a orientar o desenvolvimento de tratamentos para dores de dente.

Mais de uma década atrás, a Dra. Katharina Zimmerman, agora professora da Universidade Friedrich-Alexander, na Alemanha, descobriu que as células que produzem uma proteína chamada TRPC5 eram sensíveis ao frio. Quando as coisas esfriaram, TRPC5 se abriu para formar um canal, permitindo que os íons fluíssem através da membrana celular.

Canais iônicos como o TRPC5 estão espalhados por nossos corpos, disse Zimmerman, e estão por trás de algumas sensações surpreendentemente familiares. Por exemplo, se seus olhos começarem a ficar frios e secos com o ar frio, isso é o resultado da ativação de um canal iônico na córnea. Ele se perguntou quais outras partes do corpo poderiam usar um receptor de frio como o TRPC5. E ocorreu-lhe que “o tecido mais sensível do corpo humano podem ser os dentes” quando se trata de sensações de frio.

Dentro da camada protetora do esmalte, os dentes são feitos de uma substância dura chamada dentina, que é entrelaçada por minúsculos túneis. No coração da dentina está a polpa mole do dente, onde as células nervosas e os chamados odontoblastos, que formam a dentina, se entrelaçam.

A teoria prevalecente sobre como os dentes sentem frio era que as mudanças na temperatura pressionavam o fluido nos túneis de dentina, de alguma forma provocando uma resposta nesses nervos ocultos. Mas havia poucos detalhes sobre como exatamente isso poderia estar acontecendo e o que poderia estar preenchendo a lacuna entre eles.

Dr. Zimmerman e seus colegas olharam para ver se os ratos projetados para não ter o canal TRPC5 ainda sentiam dor de dente como os ratos normais. Eles ficaram intrigados ao descobrir que esses ratos, quando danificaram os dentes, não se comportavam como se algo estivesse errado. Na verdade, eles pareciam quase iguais como se tivessem recebido um analgésico antiinflamatório, disse Zimmerman.

Seu co-autor, Dr. Jochen Lennerz, patologista do Hospital Geral de Massachusetts, examinou dentes humanos em busca de sinais do canal iônico e o encontrou em seus nervos e outras células. Isso sugeriu que o canal poderia desempenhar um papel na percepção de frio de uma pessoa.

Ao longo de muitos anos, os pesquisadores construíram uma maneira de medir com precisão os sinais nervosos que viajam do molar danificado de um camundongo. Eles testaram suas idéias com moléculas que poderiam bloquear a atividade de vários canais, incluindo TRPC5.

A imagem que eles lentamente adquiriram é que TRPC5 é ativo em odontoblastos. Isso foi um pouco surpreendente, uma vez que essas células de suporte são mais conhecidas por produzir e manter dentina, não por auxiliar na percepção. Dentro dos odontoblastos, disse Lennerz, o TRPC5 abre quando o sinal frio viaja pelos túneis da dentina, resultando no envio de uma mensagem aos nervos.

Por acaso, uma substância que impede o TRPC5 de se abrir é o eugenol, o principal ingrediente do óleo de cravo, um tratamento tradicional para dor de dente. Embora a Food and Drug Administration seja ambígua sobre a eficácia do eugenol, se ele reduz a dor em algumas pessoas, pode ser devido ao seu efeito no TRPC5.

Talvez o conhecimento de que esse canal está no centro da dor induzida pelo frio leve a melhores tratamentos para a dor dentária no futuro – melhores maneiras de evitar que essa mensagem se torne opressora.

Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo