Últimas Notícias

Opinião | Morcegos e coronavírus

Algumas pessoas também culpam os morcegos pelos patógenos perigosos que eles carregam, incluindo potencialmente o precursor do novo coronavírus, o SARS-CoV-2. Esse vírus pode ter entrado em nós de um dos vários tipos de morcegos-ferradura do sul da China. Nesse caso, o evento fatídico provavelmente teve mais a ver com o que alguns humanos desejavam dos morcegos do que com o que alguns morcegos desejavam dos humanos.

Vírus de morcego derramar em humanos; eles não escalada Em nós. Eles não estão nos procurando. E o derramamento geralmente ocorre quando invadimos morcegos em seus habitats, escavamos seu guano para fertilizá-los, capturamos, matamos ou transportamos vivos para os mercados, ou iniciamos uma interação perturbadora.

Os cientistas ainda precisam (e talvez nunca) descubram que encontro desse tipo trouxe esse coronavírus para a humanidade. Mas você pode ter certeza de que isso não aconteceu porque um morcego-ferradura chinês voou até Wuhan e mordeu um pobre homem no dedo do pé.

O mais letal dos vírus transmitidos por morcegos, para humanos, é Raiva, agora reconhecido como membro de um grupo diverso chamado lyssavírus (como em Lyssa, a deusa grega do frenesi e da raiva), a maioria deles associados com morcegos. Os humanos conhecem a raiva pelo menos desde Demócrito, no século 5 aC. C. Vimos isso em nossos cães, às vezes insanos, como o Velho Yeller, e ocasionalmente em uma pessoa infeliz que foi mordida. A taxa de mortalidade por raiva, sem vacinação pós-exposição imediata, é de quase 100%, e a doença ainda mata dezenas de milhares de pessoas a cada ano.

Mas de que fonte original a raiva veio para cães, guaxinins, gambás ou outros carnívoros cuja saliva escorre para uma ferida de mordida? A primeira pista para esse mistério veio em 1911, quando um cientista italiano no Brasil, Antonio Carini, fez uma reportagem sobre o vírus da raiva em morcegos, que percebeu o estranho detalhe de que ele não parecia adoecer os morcegos. Isso sugeria uma longa relação entre os morcegos e o vírus, que talvez tivesse alcançado uma acomodação mútua: um habitat seguro para o vírus, sem sintomas para o hospedeiro.

Embora a raiva tenha sido o tópico dominante de pesquisa nesse campo durante grande parte do século 20, alguns outros vírus transmitidos por morcegos apareceram, principalmente como descobertas acidentais de cientistas que estudavam outra coisa. O vírus Rio Bravo, por exemplo, encontrado entre alguns morcegos da Califórnia em 1954 e relacionado ao vírus da febre amarela, era um deles. O vírus Tacaribe, transmitido tanto por morcegos quanto por mosquitos em Trinidad, foi outro. Esses vírus produziram artigos científicos, mas não manchetes de jornais, porque não estavam causando mortes humanas.

Logo alguns novos vírus assassinos também apareceram, embora sem (a princípio) qualquer ligação clara com os morcegos. Vírus de Marburg bem como o mais mortal e infame dos Ebolas, agora conhecido como Ebolavírus do Zaire, causou doenças terríveis e morte com seus primeiros surtos reconhecidos em humanos, no final dos anos 1960 e 1970. Mas suas conexões confirmadas (Marburg) ou prováveis ​​(Zaire ebolavirus) com morcegos como reservatórios não foram estabelecidas pela ciência até mais tarde.

Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo