Últimas Notícias

Opinião | Qual é a sua resolução para os próximos quatro anos?

Os últimos quatro anos foram divisivos e exaustivos. Mas, para muitos, eles também foram um chamado para mudar o que podemos controlar: nossas próprias vidas.

Recentemente escrevi sobre como Donald Trump se tornou meu improvável #fitspo, levando-me ao ginásio regularmente pela primeira vez desde a aula de educação física do colégio. Canalizar o desamparo que sentia para algo produtivo me inspirou a fazer outras coisas de maneira diferente também. Comecei a ser mais voluntário, criando mais conteúdo para fins sociais e trabalhando no The Times. Essas mudanças incrementais aumentaram um impacto positivo em minha vida: elas me deram clareza de mente e propósito e me ajudaram a recuperar o otimismo que havia perdido por um breve período.

Perguntamos aos leitores quais mudanças a eleição presidencial de 2016 os inspirou a fazer em suas próprias vidas e se, no próximo mês, quando o presidente Trump renunciar, esses hábitos continuarão.

A maioria foi inspirada a “recuperar o poder”, seja abrindo caminho para a sala de reuniões ou colocando cartazes no gramado em uma eleição local. Vários, alguns republicanos e alguns democratas, saíram de suas linhas partidárias. Algumas pessoas plantaram árvores. Outros correram, nadaram ou marcharam. Muitas pessoas fizeram essas coisas pela primeira vez. E quase todos assumiram o compromisso de manter esses hábitos, transformando-os em resoluções para os próximos quatro anos, e provavelmente depois.

Aqui está uma seleção de suas respostas. Eles foram editados para maior comprimento e clareza.

Nos últimos quatro anos, redirecionei minha carreira para acumular dinheiro e poder, em vez de encontrar minha “paixão”, seja lá o que isso signifique.

Quando Donald Trump venceu, ele não pôde deixar de imaginar as salas de reuniões de poderosos homens brancos encarregados de bilhões no capital, que decidiram repetidamente emprestar-lhe dinheiro e dar-lhe mais poder, mais perdão, mais visibilidade. E se mais mulheres estivessem naqueles quartos? Mulheres com poderes para assinar o cheque, que disseram: “Não, esse cara me critica da maneira errada. Vou investir no próximo. “

Isto é o que digo aos colegas mais jovens agora: ganhem dinheiro. Obtenha energia. Sente-se à mesa onde são tomadas decisões sobre homens como Trump. Acontece que gosto de estar na “sala onde isso acontece”. É divertido. E ter mais poder no trabalho me deixa menos estressado e menos ansioso.

Quando Joe Biden se torna presidente, não vejo minha mudança de comportamento. Quero estar à mesa quando o próximo Donald Trump aparecer. – Anna Scott, 34, Seattle

Quando Donald Trump foi eleito, fiquei chocado e deprimido. Eu não conseguia parar de falar sobre como Trump era horrível e pensei em me mudar para outro país.

Então li um artigo escondido no canto de um jornal online sobre um cara chamado Andy Kim. Eu estava pensando em concorrer contra meu deputado (um bilionário que não compartilhava de nenhum dos meus valores). Encontrei um endereço de e-mail e entrei em contato.

Andy era o perdedor, com um pequeno escritório em um banco antigo e sem mobília. Doamos uma mesa que se tornou a primeira mesa de Andy. Carimbei envelopes para ele, fiz ligações e levei comida para seus eventos. Andy ganhou! E então ele ganhou um segundo mandato em 2020!

Também assumi outros compromissos, inclusive ser mais ativo. Comecei a nadar mais. Isso clareou minha cabeça, embora às vezes eu chorasse pelas costas. Também dancei com Bruno Mars. Perdi 50 libras. E me sinto muito mais saudável, no corpo e na mente. – Rosemary Reichard, velha … mas não tão velha … Marlton, N.J.

Crédito…Por Rosemary Reichard

Tornei-me organizador de placas de gramado para uma candidata a deputado estadual em 2018 (ela venceu) e 2020 (quando venceu novamente, desta vez para uma cadeira no Senado estadual). Fiz o mesmo trabalho para nossa candidatura ao Senado dos Estados Unidos (esse candidato perdeu, infelizmente). Além disso, escrevi centenas de cartas e fiz aqueles telefonemas terríveis que todos nós odiamos receber. Não consigo me conter, porque percebi que a organização de base é a única maneira pela qual as mudanças acontecem. – Gail Darling, 75, Maine

Como republicano que trabalhou para a campanha de Mitt Romney em 2012, esses últimos quatro anos me despertaram para a realidade de que os princípios importam mais do que a filiação partidária.

Olhando para trás, percebo que levei nossa democracia e normas sociais como certas em 2016. A candidatura de Donald Trump parecia cômica naquela época. Presumi que vazaria de alguma forma, forma ou forma por alguma outra força. Claro que não. À medida que sua retórica e ações se desenrolavam perigosamente nos últimos quatro anos, em 2020 finalmente fui inspirado a fazer algo diferente do que fiz (ou, mais precisamente, o que não fez c) em 2016. Portanto, este ano, juntei-me aos ex-alunos da campanha de Romney, John McCain e George W. Bush para apoiar publicamente Joe Biden.

Nos últimos quatro anos, vi minha filha completar um ano e minha esposa e eu tivemos um segundo filho. Isso também foi um alerta para que eu aceitasse mais responsabilidades. No futuro, vou assumir uma posição mais forte e mais pública, mesmo que seja impopular. John Voith, 36, Wellesley, Massachusetts.

Eu me envolvi nesta eleição. Vou me envolver com outras pessoas no futuro. Mas também percebi que os liberais precisam parar de envergonhar e criticar os conservadores que apoiaram Trump. Você pode não concordar com eles, mas eles têm uma opinião. Aparentemente, pelo menos 74 milhões de opiniões. – Anthony Morrison, 59, Palm Beach, Flórida.

Comecei a correr, mas não continuei. Comecei a fazer flexões pela manhã e tenho mantido. Isso faz meu coração se sentir melhor. Tornei-me (espero) um amigo mais amigável e mais curioso para meus vizinhos conservadores. E, finalmente, me joguei nas árvores. Não neles, literalmente. Mas em plantá-los. Eu colhi milhares de bolotas, sementes, cones, samaras e agora tenho um pequeno viveiro de árvores que coloco regularmente no chão. – David Cater, 51, Colmesneil, Texas

Vou continuar fazendo caminhadas, jardinagem e ioga para manter minha mente e corpo saudáveis. Também vou me concentrar em ajudar minha família e minha comunidade a fazer mudanças que reduzam nossas emissões pessoais de gases de efeito estufa. Continuo motivado para ajudar as gerações futuras a sobreviver ao caos climático. E agora que Trump está fora do nosso caminho, encontrar oportunidades de mudança é um pouco mais fácil. – Emma Stamas, 73, Colrain, Massachusetts.

No dia em que Trump foi eleito, eu tinha tanta raiva dentro de mim que pensei que fosse queimar. Peguei um par de tênis de corrida e comecei a correr para fora, independentemente do tempo. Nunca falhava que todos os dias eu ouvia algo que me enfurecia sobre o que estava acontecendo, e colocava toda essa ansiedade em minha carreira para que pudesse ser um bom membro de minha família.

Nesses quatro anos, não tenho medo, tédio, ansiedade e a necessidade de ficar sozinho. Odeio dizer isso, mas Trump, como presidente, foi muito bom para minha saúde física. O júri ainda não decidiu sobre meu bem-estar emocional. – Renee Lesson, 56, Nova York

Crédito…Lição de Renee

Aos 89, tenho que recuar quando se trata de marchar, mas entrei para um grupo de exercícios e um grupo de redação de cartões-postais políticos. O último mantém minhas mãos e mente ágeis, enquanto o primeiro mantém o resto de mim! O exercício me ajudou a superar meu “ano de lacuna social” em 2020. Sei que farei isso novamente em 2021, aos 91 anos. – Bindy Bitterman, 89, Chicago

Crédito…Por Bindy Bitterman

Em algum momento no início da presidência de Trump, recebi um adesivo de pára-choque com uma foto do presidente Barack Obama e uma citação dele: “A melhor coisa a fazer para não me sentir desesperado é levantar e fazer alguma coisa.” Enfiei no meu carro. Quando mudei de carro, removi e colei no novo.

Com essa inspiração, faço transações bancárias por telefone e escrevo cartões-postais para os eleitores. Telefono e escrevo aos meus representantes no Congresso. E eu doo para várias organizações sem fins lucrativos. Eu protestei na frente da Casa Branca e marchei pelas ruas de Nova Orleans em apoio à Paternidade Planejada, leis de uso de armas de bom senso, saúde, clima, Black Lives Matter, direitos de imigração, L.G.B.T.Q. direitos. Eu protestei com amigos na frente do escritório do nosso senador. E eu até testemunhei em uma audiência no Senado na capital do meu estado.

A maioria dessas coisas eu nunca fiz antes e tenho 62 anos! No processo, fiz alguns dos melhores amigos que você poderia pedir. – Marianne Everard Burns, 62, Nova Orleans

Depois das eleições de 2016, algo mudou. Comecei a levantar pesos com mais intensidade. Também voltei às artes marciais, o que não fazia desde o início dos anos 90.

Embora essas mudanças tenham sido motivadas mais por sentimentos de raiva e frustração, também desejei melhorar meu país e combater alguns dos danos. Em 2017, participei de protestos pela primeira vez na minha vida. Juntei-me à minha esposa, filha e amigas na Marcha das Mulheres local e na Marcha pela Ciência em Washington. Participei dessas marchas todos os anos, até a pandemia.

Fiz questão de doar sangue sempre que possível, às vezes chegando a seis doações em um ano. E, por fim, fiz mais em meu local de trabalho para fazer a diferença para os jovens: conduzi excursões estudantis e orientei estudantes universitários.

Não espero que meus comportamentos mudem muito durante o governo Biden. Minha motivação provavelmente será diferente, mas os hábitos parecem integrados. – Robert Sinkovits, 57, San Diego

Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo