Últimas Notícias

Os erros da AstraZeneca minaram a fé dos EUA na vacina contra o coronavírus

Oxford contratou um fabricante terceirizado para produzir grandes quantidades da vacina para o teste. Mas quando os pesquisadores receberam uma amostra da vacina e mediram sua força, perceberam algo estranho. Usando uma técnica de medição diferente da do fabricante, Oxford descobriu que a concentração de partículas virais na vacina era o dobro do nível que o fabricante havia encontrado.

Os pesquisadores de Oxford não sabiam o quanto confiar. Eles decidiram usar uma dose mais baixa. Dessa forma, mesmo que sua medição estivesse errada, a dose era segura, embora menor do que o inicialmente planejado.

Os participantes receberiam duas injeções, que deveriam ter um mês de intervalo. Oxford começou a administrar a vacina. Em poucos dias, os participantes relataram menos efeitos colaterais, como dor no braço ou febres leves, do que durante o primeiro ensaio. Mais tarde, os pesquisadores de Oxford identificaram um ingrediente no lote de vacinas do fabricante terceirizado que havia distorcido sua medição para cima. Isso confirmou que eles estavam usando uma dose média.

Quando a confusão sobre a dosagem surgiu meses depois, iria complicar os esforços dos cientistas e funcionários da saúde pública para entender como a vacina funcionava.

Enquanto isso, as autoridades de saúde pública estavam adotando cada vez mais a vacina barata e fácil de produzir. Em junho, Soumya Swaminathan, cientista-chefe da Organização Mundial da Saúde, chame-o “Provavelmente o candidato principal.” Em julho, a chefe da força-tarefa de vacinas do governo do Reino Unido, Kate Bingham, disse aos legisladores que era “a vacina mais avançada do mundo”.

Funcionários do governo Trump também ficaram entusiasmados. Chefe de Gabinete da Casa Branca, Mark Meadows disse aos líderes do Congresso em 30 de julho, que a vacina Oxford-AstraZeneca poderia obter liberação de emergência do F.D.A. Já em setembro, duas pessoas relataram a discussão anteriormente ao The New York Times. (Um porta-voz do Sr. Meadows negou que ele tivesse discutido as perspectivas da AstraZeneca.)

Esse otimismo foi prematuro.

Autoridades federais de saúde disseram em junho que, para autorizar uma vacina, o F.D.A. você provavelmente precisaria ver os dados do estágio final de pelo menos 30.000 participantes do estudo. Naquela época, os testes de Oxford na Grã-Bretanha e no Brasil estavam em andamento e, mesmo que seus resultados fossem combinados, eles não alcançariam aquele F.D.A. limite. (A agência nunca fechou a porta para confiar inteiramente em dados de testes no exterior para autorizar uma vacina.)

Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo