Últimas Notícias

Pat Loud, matriarca do reality show “An American Family”, morre aos 94

Antes de “The Real Housewives of Beverly Hills”, antes dos Kardashians, antes que a ideia de uma vida grande e improvisada na frente das câmeras se tornasse um grampo na televisão, havia um show incrível na televisão. público chamado “An American Family” com uma personagem feminina incrível chamada Pat Ruidoso.

A Sra. Loud era mãe de cinco filhos da Califórnia. Ele bebeu, planejou seu divórcio, adorou e aceitou seu filho assumidamente gay. Ela fez tudo em Santa Bárbara e tudo diante das câmeras, em 1973. Carinhosa, magoada, irritada, turbulenta, espirituosa, resiliente, não agia como a maioria das mulheres na televisão da época. Mas aparentemente ela não estava agindo de forma alguma. Ele foi a primeira estrela do reality show no primeiro reality show e pagou um preço para abrir novos caminhos.

Os críticos a chamam de materialista e egocêntrica. Um “zumbi rico”, disse um. Que esposa e que mãe faria uma coisa dessas? A Newsweek colocou a Sra. Loud, seu marido, Bill, e seus filhos na capa com o título “A Família Destruída”.

No entanto, muitos outros a viam como honesta e corajosa, desinibida e incondicional em seu amor pelos filhos.

A Sra. Loud morreu no domingo em sua casa em Los Angeles, disse sua família em uma postagem no Facebook. Ele tinha 94 anos. Ela tinha 47 anos quando o programa que a tornou famosa foi ao ar, e ela passou grande parte do resto de sua vida explicando por que o fez e como isso mudou sua família. Ele fez poucas desculpas.

Ela disse ao apresentador de talk show Dick Cavett em termos inequívocos que não tinha problemas com a homossexualidade de seu filho Lance. Ela escreveu em sua autobiografia, “Pat Loud: A Woman’s Story” (1974), que, considerando como ela sentiu que sua família havia sido maltratada depois que o programa foi ao ar, “Agora todos nós estamos descaradamente tentando conseguir tudo que podemos fama instantânea. “

Mas a vida continuou. Outrora uma dona de casa e voluntária da Liga Júnior, Loud encontrou um novo emprego com Ron Bernstein, um agente literário, e mais tarde com o estilista Rudi Gernreich. Ele se mudou para Nova York, depois para a Inglaterra, antes de retornar à Califórnia no final dos anos 1990 para ficar com Lance depois que ele adoeceu com H.I.V. em 1987. (Ele morreu de complicações de hepatite C em 2001). Ela se divorciou do marido, embora eles tenham se reunido muitos anos depois.

Quando ela tinha 80 anos, a percepção pública a transformou de uma autopromoção cafona em uma matriarca sábia e refinada de um gênero rebelde.

Falando da franquia “Real Housewives”, disse ao The New York Times em 2013 “Parece que todas essas lindas garotas loiras, todas maquiadas, com taças de Chablis branco, e estão todas brigando no jantar em algum lugar.”

Os críticos de “An American Family” o acusaram de ser artificial, mas o Loud disse por muito tempo que eles se comportaram da maneira mais normal possível com as câmeras constantemente os seguindo. Craig Gilbert, um produtor WNET, escolheu os Louds como seu tema porque sua família era grande, com muitos filhos, e porque eles disseram que sim.

“Perguntamos às crianças e todas concordaram”, disse Loud ao The Times em 2013. “Parecia uma coisa divertida de se fazer.”

A família esperava que a filmagem durasse semanas e duvidava que o produto final encontrasse muitos espectadores. No final, mais de 300 horas de filme capturadas ao longo de sete meses foram reduzidas para 12 episódios de uma hora.

“Eles apenas buscavam as coisas boas”, disse Loud.

As cenas mais sensacionais da vida extravagante de Lance Loud em Nova York, onde ele se apresentou em uma banda de rock e onde sua mãe o visitou, acompanhada por câmeras, e a separação do casamento dos Louds.

Bill Loud havia sido infiel a ele durante anos e sua esposa sabia disso. Em uma conversa saturada de vinho capturada em filme, ela reclamou de seus casos amorosos com o irmão e a cunhada. Ela disse ao The Times em 2013 que foi “forçada” a permitir que a cena fosse filmada. O Sr. Gilbert rejeitou essa afirmação.

“Eu disse a ela: ‘Pat, deveríamos filmar isso’”, disse ele ao The Times em 2013. “Ela disse: ‘Não quero que você faça isso’. Eu disse: ‘Precisamos, Pat, porque senão vai sair na luz azul. Ninguém vai entender. ” Por fim, ele aceitou, e seu irmão e sua cunhada estavam na sala quando ele aceitou. E agora ela diz que foi coagida. “

Dentro No episódio final, a Sra. Loud disse ao marido que queria o divórcio. “Quando pediu o divórcio a papai, ele não se importou se toda a cidade de Santa Bárbara estava assistindo ou se o mundo inteiro estava assistindo”, disse sua filha, Delilah, em uma entrevista para este obituário em 2014. “Ela só queria que papai saísse”. .

Patricia Claire Russell nasceu em 4 de outubro de 1926, em Eugene, Oregon, filha de um engenheiro. Sua família era próxima de outra família que tinha um menino chamado Bill Loud. Eles se conheceram quando ela tinha cerca de seis anos. Anos depois, quando ela estava estudando história em Stanford, o Sr. Loud a visitou da Universidade de Oregon.

“Eu iria buscá-la e depois ir para Tijuana assistir às touradas”, disse Delilah Loud. “Eles tiveram um ótimo namoro.”

A Sra. Loud se formou em Stanford em 1948. Os Louds fugiram para o México em março de 1950. Na época em que as câmeras apareceram em 1971, o Sr. Loud havia construído um negócio de sucesso fabricando peças para equipamentos de mineração e a família ele vivia em uma posição próspera. tempo de vida.

Eles tinham uma casa com piscina e um Jaguar na garagem. Eles tiraram longas férias na Europa.

A Sra. Loud era muito lida e conversava com seus filhos sobre arte, música e livros. A vida era maior do que Santa Bárbara, disse ele.

“Eles eram do tipo aventureiro”, disse Delilah Loud, lembrando a conversa da família sobre a possibilidade de participar de “Uma Família Americana”. “Eles queriam que experimentássemos o mundo e pensaram: ‘Bem, que diabos, será uma experiência nova.’

Bill Loud, que a Sra. Loud conheceu em 2001 a pedido de Lance, morreu em 2018 em 97.

A Sra. Loud deixou Delilah e outra filha, Michele, bem como dois filhos, Kevin e Grant, de acordo com o post da família no Facebook.

A Sra. Loud se mudou para Nova York com as filhas em 1974 e morou em um apartamento no Upper East Side por mais de uma década enquanto trabalhava como agente literária e fazia outros empregos.

Ele morou em Bath, na Inglaterra, no início dos anos 1990 antes de retornar à Califórnia para morar com Lance. Em 2001, Lance, que havia liderado a banda de rock The Mumps e era um escritor freelance, pediu aos operadores de câmera e som originais de “An American Family” que documentassem seus últimos dias. Ele não disse à mãe que as câmeras iriam aparecer.

“Não sei por que Lance fez isso, mas ele queria fazer”, disse ele ao The Times.

Em 2003, a televisão pública transmitiu “Lance Loud! Uma morte em uma família americana. “

Alex Marshall e Alex Traub contribuíram com a reportagem.

Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo