Últimas Notícias

Ralf Rangnick é o agente livre mais intrigante do futebol

Embora a relação da Alemanha com o Hoffenheim e o RB Leipzig, as equipes com as quais Rangnick está mais associado, resta difícil, ninguém tem contra ele a falta de carreira de jogador. “Se você olhar para a Bundesliga, a grande maioria dos treinadores não jogou no mais alto nível”, disse ele.

No entanto, apesar de sua afirmação, ela não tem grande desejo de fazer a engenharia reversa de um senso de destino em sua história. Segundo ele, sua ascensão é salpicada de coincidências. Houve um dia em que, como jogador, o homem em campo venceu uma partida em que tudo o que fez foi marcar a estrela do adversário. “Eu me perguntei”, disse ele, “o que você realmente fez hoje, além de estragar tudo para ele?”

Certa vez, a equipe amadora que treinava foi convocada para um amistoso contra o Dínamo de Kiev, de Valery Lobanovsky. “Eu tinha certeza que ele cometeu um erro, que ele havia nomeado um jogador a menos”, disse Rangnick. “Porque me pareceu que eles definitivamente tinham mais gente na área.”

E houve a decisão da Alemanha, no final da década de 1990, de investir pesadamente em seu sistema juvenil, combinada com seu fracasso no cenário internacional no Campeonato Europeu de 2000, que criou as condições em que sua marca de futebol, E treinadores sem antecedentes ilustres, ele poderia prosperar.

Essa interpretação de sua própria história é significativa quando se trata de considerar o futuro do jogo que ele ajudou a moldar. É possível ler a história do futebol como uma batalha de ideias, onde cada estratégia que ganha destaque é, mais cedo ou mais tarde, primeiro neutralizada e depois anulada por uma nova.

Ou também é possível vê-lo, como Rangnick faz, menos como uma história de conflito entre sistemas e mais como uma comunhão entre eles. Para ele, foi simplesmente baseado no trabalho de jogadores como Arrigo Sacchi, o grande treinador do A.C. Milan, e também de Lobanovsky.

O que vem a seguir, em sua mente, não substituirá a ortodoxia que você ajudou a estabelecer, mas se baseará nela. Ele está particularmente intrigado com a forma como as equipes usam bolas paradas. Um terço dos gols vem de escanteios, cobranças de falta e lances, disse ele. E ainda um terço do tempo de treinamento não é gasto em sua prática. Ele não acredita que a era da pressão seja o fim da história. É apenas outro começo.

Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo