Últimas Notícias

Tiroteios eclodem em Mogadíscio, enquanto rixa política na Somália se torna violenta

NAIROBI, Quênia – Tiros explodiram na capital da Somália, Mogadíscio, no domingo, quando as forças de segurança leais ao presidente entraram em confronto com unidades que pareciam ter ficado do lado de seus rivais, alimentando temores de que a iminente crise política da Somália acabou.

Os combates, alguns dos piores na capital somali em anos, seguiram-se a meses de conversas tensas entre o presidente Mohamed Abdullahi Mohamed e oponentes que o acusam de tomar o poder inconstitucionalmente.

As negociações fracassaram depois que Mohamed não conseguiu realizar as eleições presidenciais e parlamentares em fevereiro, conforme programado, e dois meses depois assinou uma lei. prorrogando seu mandato por dois anos. Suas ações atraíram críticas dos Estados Unidos e de outros aliados ocidentais.

As medidas efetivamente encerraram as negociações mediadas pelas Nações Unidas, apoiadas pelos EUA, e acrescentaram lenha a uma situação política já incendiada.

O tiroteio começou na tarde de domingo, depois que soldados alinhados à oposição assumiram posições em vários locais estratégicos em Mogadíscio, disparando fogo de forças pró-governo. Analistas disseram que a cisão foi influenciada por divisões de clãs poderosas que frequentemente estiveram no centro da turbulência que a Somália enfrentou desde a queda de seu governo central em 1991.

Enquanto as facções rivais trocavam tiros até a noite de domingo, autoridades ocidentais alarmadas pediram o fim da luta que temiam que pudesse se transformar em um confronto mais amplo que poderia desvendar anos de progresso modesto, mas constante, para transformar a Somália em um estado funcional.

O embaixador da União Europeia na Somália, Nicolas Berlanga, apelou no Twitter para “moderação máxima” de todos os lados. “A violência é inaceitável”, disse ele. “Os responsáveis ​​devem ser responsabilizados.”

A luta também aumentou a possibilidade de fissuras perigosas ao longo das linhas do clã dentro do exército somali, e preocupações de que poderosas unidades treinadas por estrangeiros, incluindo um esquadrão de comandos de elite financiado pelos EUA, pudessem ser absorvidas.

Vídeos postado online por repórteres somalis e meios de comunicação A noite de domingo mostrou longas rajadas de tiros em torno do quilômetro 4, uma importante encruzilhada da cidade. Alguns dos confrontos ocorreram perto de Villa Somália, como é conhecido o palácio presidencial.

Estrangeiros que moram na área altamente protegida ao redor do Aeroporto Internacional de Mogadíscio disseram que se retiraram para os bunkers para evitar serem atingidos por tiros perdidos.

Os principais confrontos ocorreram fora das casas de Hassan Sheikh Mohamud, o ex-presidente da Somália, e de Abdirahman Abdishakur Warsame, líder de um importante partido da oposição. Em declarações, ambos culparam os ataques ao presidente Mohamed, popularmente conhecido pelo apelido de “Formaajo”.

Em uma conferência de imprensa convocada às pressas, Hassan Hundubey Jimale, ministro da segurança interna da Somália, negado que o governo atacou a casa do ex-presidente e culpou países estrangeiros não especificados pelos confrontos.

O Sr. Jimale não deu detalhes sobre quantas pessoas foram mortas ou feridas.

Os críticos disseram que Mohamed estava fazendo uma grande aposta para permanecer no poder.

“Parece que Formaajo decidiu sobre seu último ataque suicida tendo como alvo todas as figuras da oposição na cidade”, disse Hussein Sheikh Ali, ex-conselheiro de segurança nacional que já trabalhou com Mohamed.

Autoridades americanas disseram que advertiram em particular Mohamed, um ex-cidadão americano, contra o uso do Danab, uma força de comando treinada pelos EUA com cerca de 900 soldados, para suprimir seus oponentes. Mas eles reconheceram que Mohamed tem outras opções, incluindo tropas treinadas pela Turquia estimadas em pelo menos 2.600 homens.

Um contingente de soldados treinados na Eritreia, cujo líder autoritário, Isaias Afwerki, é um aliado importante de Mohamed, teria retornado à Somália nas últimas semanas.

A eleição de Mohamed em 2017, um ex-funcionário do estado de Nova York com residência em Buffalo, aumentou as esperanças de que ele poderia colocar o país em um caminho menos corrupto e disfuncional. Mas a decepção se estabeleceu quando o governo de Mohamed críticos silenciados, expulso o principal funcionário da ONU e, no ano passado, ele se demorou nas eleições programadas.

A oposição se recusou a reconhecer a autoridade de Mohamed desde que seu mandato de quatro anos terminou em 8 de fevereiro, sem as eleições presidenciais e parlamentares agendadas.

As negociações entre os dois lados sobre os termos das eleições estagnaram desde o outono. Os oponentes acusaram Mohamed e seu poderoso chefe espião, Fahad Yasin, de tentar manipular o sistema enchendo juntas eleitorais regionais com seus apoiadores.

Mohamed afirmou que seus inimigos estavam tentando evitar uma eleição e agora diz que precisa de dois anos para apresentar planos de sufrágio universal na Somália. No sistema atual, o presidente é eleito por voto indireto com base nos clãs.

A decisão do Sr. Mohamed de estender seu mandato por dois anos em 14 de abril, que alguns analistas Chamado de “golpe constitucional”, foi recebido com fortes críticas dos Estados Unidos e de outros aliados ocidentais.

Em Mogadíscio, a mudança levou alguns líderes da oposição a recuar para as fortalezas de seus clãs.

Entre os envolvidos nos confrontos de domingo estava Sadek John, um ex-chefe da polícia de Mogadíscio que foi demitido em meados de abril depois de se opor a Mohamed, segundo um policial somali que falou sob condição de anonimato por não ser autorizado. fale com a imprensa.

Declan Walsh relatou de Nairobi, Quênia, e Hussein Mohamed de Mogadíscio, Somália.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo