Últimas Notícias

Transição presidencial atualizações ao vivo: legisladores apresentam pacote de estímulo

Declarações do procurador-geral William P. Barr minam a alegação do presidente Trump de fraude eleitoral generalizada nas eleições de 2020.
Crédito…Al Drago para The New York Times

O procurador-geral William P. Barr disse na terça-feira que o Departamento de Justiça não descobriu fraude eleitoral em uma escala que poderia ter afetado os resultados das eleições presidenciais, reafirmando a vitória de Joseph R. Biden Jr. apesar da infundada alegações do presidente Trump de que ele foi fraudado. .

Os comentários do Sr. Barr, em uma entrevista com a The Associated Press, foram um repúdio proeminente às alegações infundadas de Trump e vieram dias depois o presidente deu a entender que o Departamento de Justiça e o F.B.I. pode ter desempenhado um papel na fraude eleitoral.

“Até o momento, não vimos fraude em uma escala que pudesse ter um resultado diferente na eleição”, disse Barr.

Os comentários de Barr vieram quando outro aliado de Trump sinalizou que ele estava pronto para seguir em frente após um mês surreal de ações judiciais, teorias da conspiração e negações pelo presidente de uma perda que se mostrou duradoura e decisiva.

O senador Mitch McConnell, um republicano de Kentucky e líder da maioria, que se recusou a reconhecer a derrota eleitoral de Trump, intensificou na terça-feira para aceitar abertamente a realidade de que Biden estaria na Casa Branca no próximo ano, enquanto discutia o perspectivas de mais estímulos pandêmicos em 2021.

“Depois do primeiro dia do ano, é provável que haja uma discussão sobre algum pacote adicional de algum tamanho no próximo ano, dependendo do que o novo governo deseja perseguir”, disse McConnell em entrevista coletiva.

Tomadas em conjunto, a declaração direta de Barr e a referência indireta de McConnell à nova administração Biden representam um grande, senão inesperado, golpe no esforço pós-eleitoral do presidente para mudar os resultados de dois homens que ele freqüentemente fez confiável para sua cobertura política. .

Momentos depois que os comentários de Barr foram tornados públicos, Rudolph W. Giuliani, advogado de Trump, enviou por e-mail uma declaração em papel timbrado da campanha, afirmando, novamente sem evidências, que havia encontrado “extensas” evidências de Fraude eleitoral nacional suficiente para influenciar as eleições. para o Sr. Biden.

“Com o máximo respeito pelo Procurador-Geral, sua opinião parece não ter conhecimento ou investigação das irregularidades substanciais e evidências de fraude sistêmica”, escreveu Giuliani na noite de terça-feira.

Barr foi visto entrando no terreno da Casa Branca na terça-feira à tarde. Um porta-voz do departamento disse que ele estava lá para compromissos pré-agendados que não incluíam uma reunião com o presidente.

Em meio às consequências das observações de Barr sobre a eleição, o Departamento de Justiça também anunciou que havia fornecido proteção adicional ao promotor federal que examinou as origens da investigação sobre os laços entre a campanha de Trump e a Rússia.

Barr nomeou o promotor, John H. Durham, como advogado especial, uma medida que torna difícil para o governo Biden demiti-lo sem fornecer evidências de má conduta.

Durham conduz a investigação há um ano e meio, e Trump e seus aliados contaram com ele para descobrir o F.B.I. da era Obama. oficiais para ajudar a sorte política do presidente na corrida para as eleições do mês passado. Mas o Sr. Durham acusou apenas uma pessoa, um F.B.I. advogado quem se declarou culpado para curar um e-mail.

Gabriel Sterling, gerente de implementação do sistema de votação para o gabinete do secretário de Estado da Geórgia, instou o presidente Trump a condenar as ameaças violentas e o assédio dirigido às pessoas que trabalham com questões eleitorais.
Crédito…Megan Varner / Getty Images

Gabriel Sterling, um alto funcionário eleitoral da Geórgia, caminhou até um púlpito no Capitólio do Estado em Atlanta na terça-feira e denunciou com raiva as ameaças violentas e perseguições dirigidas a pessoas que trabalham em questões eleitorais, pedindo ao presidente Trump que o condene.

“Isso tem que acabar”, disse Sterling, um republicano. “Senhor presidente, o senhor não condenou essa linguagem ou essas ações. Isso tem que parar. Precisamos que você dê um passo à frente e, se vai assumir uma posição de liderança, mostre algo.”

Sterling, um ex-vereador do subúrbio de Atlanta, Sandy Springs, assumiu um papel de liderança como gerente de implementação do sistema de votação da Geórgia, enquanto o presidente continua dizendo que as eleições são “fraudadas” e pedindo que os resultados são anulados.

“Senhor presidente, parece que ele provavelmente perdeu o estado da Geórgia”, disse Sterling na terça-feira. “Estamos investigando. Sempre existe a possibilidade, eu entendo, você tem o direito de ir ao tribunal. O que você não tem é a capacidade de, e deve se manifestar e dizer isso, parar de inspirar as pessoas a cometerem atos de violência em potencial. Alguém vai se machucar. Alguém vai levar um tiro. Alguém vai morrer. “

O chefe de Sterling, o secretário de estado republicano Brad Raffensperger, foi atacado dos aliados de Trump, notadamente os senadores Kelly Loeffler e David Perdue, da Geórgia, republicanos que criticaram a maneira como Raffensperger lidou com a eleição e pediram sua renúncia.

Vários processos foram movidos para impedir a certificação de resultados na Geórgia. Uma segunda de duas histórias está ocorrendo, solicitada pela campanha Trump. A internet e a mídia de direita inundaram o estado com teorias de conspiração infundadas.

Sterling, que parece conhecer os meandros do processo de eleição e recontagem com mais detalhes do que Raffensperger, tem o dever compartilhado de explicar e defender esses processos, que são supervisionados pelo gabinete do secretário de Estado. As duas autoridades disseram que seu escritório está investigando denúncias de irregularidades no estado. Mas ambos sustentaram que os resultados das eleições são confiáveis ​​e que o presidente eleito Joseph R. Biden Jr. derrotou Trump por pouco.

Falando alto, emocionalmente e deliberadamente, o Sr. Sterling disse que o Sr. Raffensperger tinha intrusos em sua propriedade pessoal. Ele disse que a esposa de Raffensperger estava “recebendo ameaças sexualizadas por meio de seu telefone celular”. Sterling disse que tinha proteção policial fora de sua casa.

Ele mencionou relatórios que Joe diGenova, advogado de campanha de Trump, disse Christopher Krebs, um oficial federal de segurança cibernética que foi demitido logo depois de dizer que as eleições foram justas – deve disparar.

Mas Sterling disse que a “gota d’água” teve a ver com um empreiteiro de uma empresa de sistemas de votação no condado de Gwinnett, que foi alvejado por alguém que pendurou um laço e disse que deveria ser simplesmente “enforcado por traição”. fazendo do seu trabalho um elemento rotineiro.

“Estas são as eleições”, disse Sterling. “Esta é a espinha dorsal da democracia, e todo mundo que não disse uma palavra maldita é cúmplice disso. É demasiado. Sim, lute por todos os votos legais. Siga seu devido processo. Nós o encorajamos a usar sua Primeira Emenda, tudo bem. Ameaças de morte, ameaças físicas, intimidação – é demais, não está certo. Eles perderam a autoridade moral para afirmar que é. “

Ele continuou: “Não consigo explicar o nível de raiva que sinto agora por causa disso. E todos os americanos, todos os georgianos, republicanos e democratas, deveriam ter o mesmo nível de raiva. “

Um perdão para Rudolph W. Giuliani, advogado do presidente Trump, certamente levará a alegações de que Trump usou seu poder para obstruir as investigações e isolar a si mesmo e seus aliados.
Crédito…Erin Schaff / The New York Times

Rudolph W. Giuliani, advogado do presidente Trump que liderou os esforços mais amplos para prejudicar os rivais políticos de seu cliente e minar os resultados eleitorais, discutiu com o presidente na semana passada a possibilidade de receber um perdão preventivo antes deixe Trump ir. escritório, de acordo com duas pessoas contaram da discussão.

Não ficou claro quem levantou a questão. Os homens também falaram anteriormente sobre uma clemência para Giuliani, de acordo com o povo. Trump não indicou o que fará, disse uma das pessoas.

A potencial exposição criminosa de Giuliani não está clara. Ele foi investigado no verão passado por promotores federais em Manhattan por seus negócios na Ucrânia e seu papel na remoção do embaixador dos EUA lá, um complô que esteve no cerne do impeachment de Trump.

Giuliani não respondeu a uma mensagem pedindo comentários. Christianne Allen, sua porta-voz, disse: “O prefeito Giuliani não pode comentar sobre as conversas que mantém com seu cliente”.

O advogado de Giuliani, Robert Costello, disse: “Ele não está preocupado com esta investigação porque não fez nada de errado e essa tem sido nossa posição desde o primeiro dia.”

Uma porta-voz de Trump não respondeu a um e-mail pedindo comentários.

Um perdão tão amplo que impede qualquer acusação ou condenação é altamente incomum, mas não tem precedentes. George Washington perdoou os conspiradores da rebelião do uísque, protegendo-os de processos por traição. No exemplo mais famoso, Gerald R. Ford perdoou Richard M. Nixon por todas as suas ações como presidente. Jimmy Carter perdoou milhares de americanos que evitaram ilegalmente o recrutamento para a Guerra do Vietnã.

Trump exerceu seu poder de clemência generosamente em casos que ressoam com ele pessoalmente ou com pessoas que têm uma linha direta com ele por meio de amigos ou familiares, enquanto milhares de outros casos aguardam sua revisão.

A semana passada ele perdoou seu ex-conselheiro de segurança nacional Michael T. Flynn vagamente por possíveis problemas legais além da acusação que ele enfrentou de mentir para investigadores federais. O movimento altas expectativas que Trump concederá clemência a outros associados em suas últimas semanas no cargo.

O presidente eleito Joseph R. Biden Jr. anunciou os membros de sua equipe econômica durante um evento em Wilmington, Delaware, na terça-feira.
Crédito…Kriston Jae Bethel para The New York Times

A economia do país, assim como a política do país, está em espera entre os governos Trump e Biden, em um momento em que a pandemia devastadora levantou profundas preocupações sobre a força, o momento e até a probabilidade de uma recuperação potencial. o próximo ano.

Na terça-feira, o presidente eleito Joseph R. Biden Jr. tentará injetar um senso de urgência – e estabilidade – em um ambiente caótico pós-eleitoral ao apresentar formalmente sua equipe econômica, cuja filosofia de governo marca um claro afastamento dos baixos impostos do presidente. Trunfo. abordagem de baixa regulamentação.

“Vamos começar o trabalho para curar, unir e reconstruir uma economia para todos os americanos”, disse Biden em um evento em Wilmington, Delaware.

A nova equipe, liderada pelo Sr. Biden eleito Secretário do Tesouro, Janet L. Yellen, o ex-presidente do Fed enfatizará a necessidade de ajudar imediatamente as famílias e empresas a se manterem à tona em meio à pandemia, usando verbas de emergência e outras formas de assistência federal, disseram os assessores de Biden.

Durante seus comentários, Biden apelou diretamente aos senadores que votarão nas confirmações dos membros de seu gabinete e que provavelmente se oporão a algumas de suas eleições.

“Para o Senado dos Estados Unidos, espero que os A’s, esses indicados excepcionais recebam uma audiência imediata e que possamos trabalhar pelo corredor de boa fé e seguir em frente como um país”, disse Biden, apresentando seus indicados. incluindo Neera Tanden, a cabeça agressiva de um think tank liberal que é uma opção que provavelmente enfrentará alguma oposição.

Horas antes, o atual presidente do Federal Reserve, Jerome H. Powell, apoiou essa abordagem, alertando o Congresso de que “as perspectivas para a economia são extraordinariamente incertas”, sem um esforço para salvar a perigosa transição, limitando a propagação do vírus e apoiando o economia.

Steven Mnuchin, secretário do Tesouro de saída de Trump ofereceu uma avaliação muito menos séria da economia em suas declarações preparadas perante a Comissão Bancária do Senado.

Mas havia sinais de que os dois lados estavam tentando preencher a lacuna. Mnuchin disse a repórteres que planejava entrar em contato com a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, para discutir as negociações sobre outro pacote de alívio de vírus.

Um grupo bipartidário de senadores, liderado por Susan Collins, uma republicana do Maine, e Joe Manchin III, um democrata da Virgínia Ocidental, revelou o plano para um pacote de estímulo provisório de US $ 900 bilhões mais tarde naquele dia.

O plano forneceria US $ 300 por semana em benefícios federais de desemprego durante 18 semanas, metade do que os democratas buscavam, e inclui US $ 160 bilhões em financiamento para governos estaduais e locais, muito menos do que US $ 500 bilhões. que os democratas haviam proposto anteriormente, que os republicanos no Congresso e na Casa Branca rejeitaram firmemente.

Em seu depoimento, Mnuchin propôs gastar US $ 300 bilhões adicionais em ajuda, uma medida que foi imediatamente considerada insuficiente pelos membros democratas do painel.

“Continuo a acreditar que um pacote fiscal específico é a resposta federal mais apropriada”, disse Mnuchin na terça-feira. “O governo está pronto para apoiar o Congresso neste esforço de ajudar os trabalhadores americanos e as pequenas empresas.”

No entanto, mesmo enquanto a maioria dos republicanos no Congresso se recusa a reconhecer publicamente a vitória de Biden, muitos no partido estão começando a se ajustar em privado para negociar com uma equipe de Biden cuja atividade coordenada representa um desvio radical da abordagem de Biden. Mnuchin, que freqüentemente envolvia diplomacia secreta. com os democratas fora do alcance de seu volátil chefe.

Além de Yellen, Biden escolheu Jared Bernstein, um conselheiro econômico de longa data do governo Obama que trabalhou no enorme esforço de estímulo de 2009, e Heather Boushey, que estudou o impacto da desigualdade de renda, como parte de sua equipe. . Cecilia Rouse, outra consultora progressista, será formalmente anunciada como a nomeada para presidir o Conselho de Consultores Econômicos de Biden.

Cecilia Rouse, economista de Princeton, é a escolha do presidente eleito Joseph R. Biden Jr. para chefiar o Conselho de Consultores Econômicos.
Crédito…Jay Mallin / Bloomberg, via Getty Images

O presidente eleito Joseph R. Biden Jr. apresentou os principais membros de sua equipe econômica na terça-feira, enquanto se preparava para assumir o cargo de Casa Branca em um momento em que a recuperação econômica da pandemia do coronavírus está desacelerando e milhões continuam sem trabalho.

Biden, falando em um evento em Delaware, disse que estava formando “uma equipe de classe mundial que nos ajudará a superar esta crise econômica em curso”.

O presidente eleito pediu ao Congresso que aprovasse um pacote de resgate “robusto” para ajudar famílias, empresas e governos estaduais e locais, dizendo que muitas comunidades estão “à beira do abismo”.

Biden está pronto para entrar na Casa Branca em um momento de crise nacional em meio ao agravamento surto do vírus. O Departamento de Trabalho e o Departamento de Comércio Eles relataram um aumento nos pedidos de benefícios de desemprego do estado e uma diminuição na renda pessoal. Os casos de coronavírus dispararam nas últimas semanas, um fato que o presidente do Federal Reserve, Jerome H. Powell, chamou de “preocupante” em seu depoimento aos legisladores na terça-feira, dizendo que “pode ​​ser desafiador nos EUA. próximos meses “.

Em um sinal do papel central que a política econômica terá no governo Biden, o presidente eleito disse que estava devolvendo o presidente do Conselho de Assessores Econômicos a um cargo de gabinete. Presidente Trump teve rebaixou o C.E.A. cadeira durante a administração.

O Sr. Biden escolheu Cecilia Rouse dirigir o Conselho de Assessores Econômicos; ela Eu seria a primeira mulher negra no papel. A Sra. Rouse é uma economista de Princeton que serviu no Conselho de Consultores Econômicos durante parte da era Obama e no Conselho Econômico Nacional na Casa Branca durante o governo Clinton.

Sr. Biden tem avisou de um “inverno muito escuro” à frente e pediu ao Congresso para aprovar o alívio para ajudar trabalhadores, empresas e governos estaduais e locais. Os assessores de Biden estão se preparando para o que poderia ser outro desaceleração econômica no início de 2021. Mas outro pacote de estímulo econômico definhou no Congresso, onde democratas e republicanos não conseguiram chegar a um acordo, embora os líderes de ambos os partidos tenham pedido um acordo nos últimos dias.

Um grupo bipartidário de senadores divulgou um possível plano de compromisso na terça-feira de manhã que parecia se encaixar nos contornos de Biden, presidente da Câmara, Nancy Pelosi, da Califórnia, e do senador Chuck Schumer de Nova York, o líder democrata. Eles disseram que deveria estruturar qualquer acordo de estímulo. em Washington. Eles incluem ajuda extra para desempregados e pequenas empresas, junto com dinheiro para ajudar os governos estaduais e locais a consertar as lacunas orçamentárias que foram abertas durante a pandemia.

A lista de indicados e indicados para terça-feira inclui várias mulheres em cargos econômicos importantes. As eleições, marcadamente diferentes do gabinete de Trump, que foi esmagadoramente branco e masculino, siga o Sr. Biden promessa de campanha para construir uma administração que se pareça com a América.

Sua escolha para o Escritório de Gestão e Orçamento: Neera tanden, o diretor executivo do Center for American Progress, seria o primeiro índio-americano a liderar o escritório se confirmado. Biden também selecionou Janet L. Yellen, um ex-presidente do Federal Reserve, para ser seu Secretário do Tesouro. Se confirmada, ela seria a primeira mulher a ocupar o cargo.

A Sra. Tanden encontrou resistência imediata de senadores republicanos que a criticaram por atacar publicamente os republicanos, inclusive em sua conta no Twitter. Ela antecipou a provável ênfase do grupo em histórias pessoais em um post no Twitter na segunda-feira após o anúncio de sua nomeação: “ Depois que meus pais se divorciaram quando eu era jovem, minha mãe dependia de programas públicos de alimentação. e habitação para sobreviver ”, escreveu ele. “Agora, fui nomeado para ajudar a garantir que esses programas sejam seguros e que famílias como a minha possam viver com dignidade.”

Biden também anunciou suas eleições para subsecretário do Tesouro, Adewale Adeyemo, e membros do Conselho de Consultores Econômicos, Jared bernstein Y Heather Boushey.

Adeyemo serviu como conselheiro econômico internacional sênior sob o ex-presidente Barack Obama, e Bernstein foi o primeiro economista-chefe de Biden quando ele era vice-presidente. A Sra. Boushey, uma das principais consultoras de política de Hillary Clinton em 2016, dirige o Washington Center for Equitable Growth, um centro de estudos liberal focado na desigualdade.

Apresentações seguem um evento semelhante na semana passada, quando Biden apresentou publicamente membros de sua equipe de política externa e segurança nacional.

Vídeo

transcrição

transcrição

Grupo bipartidário de senadores divulga proposta de estímulo

Um grupo bipartidário de senadores divulgou na terça-feira uma medida de estímulo com a promessa de US $ 900 bilhões que vai durar até março. Isso restauraria os benefícios federais de desemprego que expiraram durante o verão, proporcionando alívio financeiro adicional aos americanos à medida que os casos de coronavírus aumentassem.

“Ao lidarmos com a segunda ou terceira onda desta pandemia, é absolutamente essencial aprovar o alívio de emergência.” “Neste pacote, alocamos US $ 11 bilhões para investimentos em C.D.F.I.s, M.D.I.s e outras instituições que farão empréstimos para essas comunidades carentes e que terão um bom efeito no curto e longo prazo. Portanto, embora isso possa ofender algumas pessoas de ambos os lados, pensamos que é uma boa estrutura e estamos todos empenhados em fazer o que for necessário para alcançá-la. “” Covid criou uma crise, e em uma crise as pessoas esperam que Ato do Congresso. E este grupo se reuniu para propor ações que possam responder a esta crise. Temos desempregados. Temos empresas fechando. Temos estados e localidades se preparando para demissões de grande número de pessoas. É simplesmente inaceitável que não estejamos respondendo para ajudar em esta circunstância “. “Não culpamos em lugar nenhum. Basicamente, sabemos que todos, há muitas necessidades e muitas organizações diferentes, de todos os economistas a todas as organizações, identificaram as necessidades. Chegamos a um ponto em que sabemos que isso pode nos fornecer ajuda de emergência. É disso que se trata: ajuda de emergência durante o primeiro trimestre, que termina em 1º de abril. O presidente eleito Biden entrará. Você poderá determinar se há mais a fazer. Esta é uma emergência que nos ajuda a superar esta época de Natal. Pessoas que estão perdendo em dezembro. E simplesmente não podemos sair sem que isso seja tratado. “

Carregando o player de vídeo
Um grupo bipartidário de senadores divulgou na terça-feira uma medida de estímulo com a promessa de US $ 900 bilhões que vai durar até março. Isso restauraria os benefícios federais de desemprego que expiraram durante o verão, proporcionando alívio financeiro adicional aos americanos à medida que os casos de coronavírus aumentassem.CréditoCrédito…Tasos Katopodis / Getty Images

Um grupo bipartidário de senadores divulgou na terça-feira uma proposta de estímulo de promessa de US $ 900 bilhões com o objetivo de quebrar o impasse no Congresso na entrega de alívio econômico adicional aos americanos afetados pela pandemia do coronavírus.

A proposta, liderada pelos senadores centristas Joe Manchin, D-West Virginia, e Susan Collins, R-Maine, não foi endossada pela presidente da Câmara, Nancy Pelosi, da Califórnia, nem pelo senador Mitch McConnell, republicano da Kentucky e líder da maioria.

Projetado como uma medida temporária que duraria até março, ele restabeleceria os benefícios federais de desemprego que expiraram durante o verão, mas pela metade da taxa, fornecendo $ 300 por semana durante 18 semanas, e não inclui outra rodada de cheques para cada americano. A medida forneceria US $ 160 bilhões para ajudar os governos estaduais, locais e tribais que enfrentam a ruína fiscal, uma fração do que os democratas buscavam. Também foram incluídos US $ 288 bilhões para ajudar as pequenas empresas e um escudo de responsabilidade federal de curto prazo contra ações judiciais relacionadas com o coronavírus.

O projeto de lei é uma tentativa de encontrar um meio-termo entre os duelos de propostas de estímulo que democratas e republicanos negociam há meses. Seu custo é menos da metade do que os líderes democratas haviam feito lobby nas semanas que antecederam a eleição, mas quase o dobro da última proposta dos líderes republicanos.

“É imperdoável que estejamos saindo da cidade e não tenhamos um acordo”, disse Manchin em entrevista coletiva no Capitólio para apresentar o plano, que foi desenvolvido com os senadores democratas Mark Warner da Virgínia e Jeanne Shaheen e Maggie Hassan, ambos. de New Hampshire; O senador independente Angus King of Maine; e os senadores republicanos Bill Cassidy da Louisiana, Lisa Murkowski do Alasca e Mitt Romney de Utah.

Eles se juntaram para anunciar o esquema por líderes do Caucus de Resolução de Problemas da Câmara, um grupo bipartidário que anunciou uma proposta de compromisso semelhante no início deste ano que os líderes da Câmara rapidamente rejeitaram.

A nova tentativa de um acordo bipartidário veio quando Pelosi e Steven Mnuchin, o secretário do Tesouro, foram definidos para discutir a legislação de financiamento do governo, uma conversa que Mnuchin disse a repórteres que também esperava abordar o alívio do coronavírus. Isso marca a primeira discussão do casal sobre um projeto de lei desde o final de outubro, quando tiveram uma série de conversas pré-eleitorais sobre o alívio do coronavírus.

Embora a estrutura apresentada na terça-feira tenha sido endossada por membros moderados de ambos os partidos, qualquer acordo precisaria do apoio dos líderes de ambas as casas para se tornar lei, e conselheiros e senadores admitiram que o primeiro passo para um acordo final exigiria esse endosso.

Mas, em um esforço para pressionar seus líderes, mais legisladores de base começaram a pedir um pacote de compromisso menor que poderia evitar o lapso iminente no final do ano de uma série de programas de ajuda definidos no projeto de estímulo de US $ 2,2. bilhões promulgados. em março.

Os legisladores estão enfrentando um prazo apertado: o financiamento do governo vai expirar em 11 de dezembro e, com os casos de coronavírus aumentando em todo o país, eles estão correndo para aprovar um projeto de lei de despesas obrigatório para evitar o fechamento. e saia de Washington pelo resto do ano.

Vídeo

transcrição

transcrição

Mnuchin e Powell entram em conflito com as perspectivas econômicas

O secretário do Tesouro, Steven T. Mnuchin, e o presidente do Fed, Jerome H. Powell, deram aos senadores avaliações totalmente diferentes sobre o estado da economia dos EUA e os desafios que temos pela frente.

“A taxa de desemprego caiu para 6,9 por cento, uma taxa que não se espera chegar até o quarto trimestre de 2021. A histórica Lei bipartidária CARES forneceu o alívio econômico fundamental para apoiar nossa economia forte. No entanto, paralisações econômicas adicionais continuam a prejudicar esse progresso notável e causar grande dano às empresas e trabalhadores americanos. Com base em dados econômicos recentes, ainda acredito que um pacote fiscal específico é a resposta federal mais apropriada. Eu recomendo fortemente que o Congresso use os $ 455 bilhões em fundos não gastos da Lei CARES para aprovar um projeto de lei adicional com apoio bipartidário. ” “Como enfatizamos durante a pandemia, as perspectivas para a economia são extraordinariamente incertas e dependerão em grande parte do sucesso dos esforços para manter o vírus sob controle. O aumento de novos casos Covid-19, tanto aqui quanto no exterior, é preocupante e pode ser desafiador nos próximos meses. A recuperação econômica total é improvável até que as pessoas tenham certeza de que é seguro retornar a uma ampla gama de atividades. As notícias recentes sobre vacinas são muito positivas a médio prazo. A resposta do Fed foi guiada por nosso mandato de promover o máximo de empregos e preços estáveis ​​para o povo americano, juntamente com nossas responsabilidades de promover a estabilidade do sistema financeiro. Tomamos medidas amplas e vigorosas para apoiar mais diretamente o fluxo de crédito na economia. Nossas ações, tomadas em conjunto, ajudaram a desbloquear quase US $ 2 trilhões em financiamento para apoiar empresas grandes e pequenas, organizações sem fins lucrativos e governos estaduais e locais desde abril. “

Carregando o player de vídeo
O secretário do Tesouro, Steven T. Mnuchin, e o presidente do Fed, Jerome H. Powell, deram aos senadores avaliações totalmente diferentes sobre o estado da economia dos EUA e os desafios que temos pela frente.CréditoCrédito…Al Drago para The New York Times

O presidente do Federal Reserve e o secretário do Tesouro descreveram na terça-feira visões completamente diferentes sobre os desafios que a economia dos EUA enfrenta nos próximos meses, expondo ainda mais uma lacuna que começou a se manifestar no mês passado.

Enquanto o presidente do Fed, Jerome H. Powell, apontou para a incerteza constante sobre a velocidade e distribuição da vacina, os perigos econômicos de um aumento nos casos de vírus e a triste realidade de que muitos permanecem desempregados enquanto testemunham perante o Comitê. O banqueiro do Senado, o secretário do Tesouro Steven Mnuchin, pintou um quadro mais alegre da recuperação econômica, enfatizando os fechamentos estaduais e locais como a principal ameaça ao crescimento.

O contraste ressalta a divisão entre dois formuladores de política econômica que, no início da crise, trabalharam em estreita colaboração como parceiros para dar início a uma resposta econômica radical.

Essa cooperação rachou. Sr. Mnuchin Anunciado em novembro, ele encerraria vários programas de empréstimos de emergência do Fed, que visam manter o fluxo de crédito para governos estaduais e locais e empresas de médio porte. Agora, a dupla expressa diagnósticos econômicos totalmente diferentes.

Mnuchin elogiou a força da recuperação econômica e culpou as contínuas paralisações econômicas em algumas partes do país por prejudicar o progresso, dizendo que estão causando “grande dano” às empresas e trabalhadores americanos.

O secretário do Tesouro destacou que muitos empregos foram recuperados e disse que a taxa de desemprego caiu muito mais rápido do que muitos esperavam. Embora ele concordasse que alguns setores, como restaurantes, precisam de apoio, ele reiterou que qualquer gasto fiscal adicional deve ser “direcionado”.

Powell alertou que “as perspectivas para a economia são extraordinariamente incertas” devido ao aumento contínuo dos casos de vírus. Ele disse que o inverno pode ser “alguns meses difíceis” e pequenos negócios podem fechar, embora a economia possa se recuperar fortemente no médio prazo, quando uma vacina for disponibilizada.

“Temos um longo caminho a percorrer”, disse Powell, observando que 10 milhões de pessoas ainda estão sem trabalho e que é possível reconhecer o progresso e prestar atenção à lacuna restante. “Usaremos nossas ferramentas até que o perigo realmente passe e isso também pode exigir a ajuda de outras partes do governo, incluindo o Congresso.”

O presidente do Fed reiterou que os resultados positivos dos ensaios clínicos com várias vacinas candidatas são um bom presságio a médio prazo, mas alertou que ainda há grandes riscos no horizonte, inclusive relacionados à vacina.

“Por ahora, persisten importantes desafíos e incertidumbres, incluidos el tiempo, la producción y la distribución, y la eficacia en los diferentes grupos”, dijo Powell.

Su testimonio se produjo cuando un grupo bipartidista de legisladores dio a conocer un paquete de rescate de 900.000 millones de dólares que el senador Mark Warner, demócrata de Virginia, calificó como el “mejor esfuerzo” para alcanzar un marco en el que tanto demócratas como republicanos puedan estar de acuerdo.

Cuando el Sr. Warner les preguntó si creían que se necesitaba este tipo de paquete, tanto el Sr. Powell como el Sr. Mnuchin estuvieron de acuerdo en que se necesitaba algún tipo de apoyo adicional.

“Parece que estás golpeando muchas de las áreas que definitivamente podrían beneficiarse”, dijo Powell.

“Todos creemos que debe haber una respuesta fiscal dirigida”, dijo Mnuchin, y agregó que hablará con la presidenta de la Cámara de Representantes, Nancy Pelosi, el martes por la tarde.

Miembros del Estado Islámico atravesaron Siria en 2014. Hasta esta semana, la oficina de Christopher Maier era responsable de supervisar el desarrollo de políticas y estrategias con respecto a la lucha contra ISIS.
Crédito…Associated Press

El funcionario de políticas del Pentágono que supervisa los esfuerzos del ejército para combatir al Estado Islámico fue despedido el lunes después de que una persona designada por la Casa Blanca le dijera que Estados Unidos había ganado esa guerra y que su oficina había sido disuelta, según tres personas informadas sobre el asunto.

los oficial, Christopher P. Maier, fue el jefe de la Fuerza de Tarea para la Derrota del ISIS del Pentágono desde marzo de 2017, y su destitución se produjo solo tres semanas después de que el presidente Trump despidiera al secretario de Defensa Mark T. Esper y a otros tres funcionarios del Pentágono. reemplazándolos con leales.

En un comunicado el lunes por la noche, el Pentágono dijo que el secretario de defensa interino, Christopher C. Miller, había aceptado la renuncia de Maier y que sus funciones se dividirían en otras dos oficinas que se ocupan de operaciones especiales y políticas regionales. Esas oficinas están dirigidas por Ezra Cohen-Watnick Y Anthony J. Tata, dos de los nombrados por Trump que han sido promovidos en la reciente purga.

Cuando se disolvió el equipo del Sr. Maier, estaban respondiendo a decenas de preguntas de la administración entrante de Biden sobre el estado de las amenazas terroristas, las relaciones con los aliados y las misiones antiterroristas. Ahora los miembros del equipo estarán dispersos por la vasta burocracia del Pentágono o regresarán a sus agencias de origen.

Ya sea deliberado o no, la medida del liderazgo del Pentágono recién ascendido para eliminar ese eje central casi con certeza ralentizará el flujo de información antiterrorista a los asistentes de transición de Biden en las próximas semanas, dijeron varios funcionarios.

Mr. Maier’s supporters say he was summarily forced out of an important but low-profile job that required navigating the shoals of Washington’s counterterrorism bureaucracy as well as flying off to combat zones, including northeast Syria and Iraq, to work with precarious partners on the ground in the fight against the Islamic State.

“Chris é um profissional absoluto”, disse Nicholas J. Rasmussen, ex-diretor do Centro Nacional de Contraterrorismo, sobre Maier. “A ideia de que isso é justificado porque ganhamos a guerra contra o ISIS força a credulidade.”

Mr. Maier, 44, an Air National Guard intelligence officer who has worked in counterterrorism jobs in Republican and Democratic administrations for two decades, declined to comment. His firing was reported earlier by CNN.

Some counterterrorism officials estimate that the Islamic State, despite having lost its territorial control in Iraq and Syria, still has as many as 10,000 guerrilla fighters there, and maintains resilient affiliates across East and West Africa and Afghanistan.

Jeffrey D. Zients, segundo da esquerda, em 2014 enquanto era diretor do Conselho Econômico Nacional. A powerful figure on the Biden transition team, he worries some progressives because of his business experience.
Crédito…Stephen Crowley / The New York Times

Jeffrey D. Zients, ex-chefe do Conselho Econômico Nacional do governo Obama, emergiu como um grande centro de poder como co-presidente da equipe de transição de Biden e é atualmente um dos principais candidatos a ser o coronavírus czar, função em que lideraria a resposta do governo à pandemia que vem causando dificuldades financeiras em todo o país.

Os progressistas temem que seu recente cargo à frente de um fundo mútuo, Cranemere, e seus dois anos no cargo a bordo Facebook, o faria simpatizar com as empresas americanas. Seu papel como ponte para os negócios durante o governo Obama também levantou algumas sobrancelhas, já que ele foi um dos principais contatos do governo com executivos e lobistas quando a raiva em Wall Street sobre a crise financeira de 2007-2008 ainda era forte. apogeu. Lobistas importantes, como a Business Roundtable e a Câmara de Comércio dos EUA, elogiaram Zients como alguém que os ouviu.

Em um sinal de que o revés se aproxima, o grupo de defesa Projeto Porta Giratória tem instado Biden a manter a influência corporativa fora de sua administração e compilou um artigo de 13 páginas sobre Zients. O arquivo destaca sua riqueza, seu apetite por redução do déficit durante os anos de Obama e seu recente trabalho como presidente-executivo da Cranemere.

No início de sua carreira, o Sr. Zients trabalhou como consultor na Bain & Company antes de ingressar na Advisory Board Company, uma empresa de pesquisa e consultoria em saúde, onde foi promovido a CEO.

Jeff Hauser, diretor do Revolving Door Project, disse que embora considere a experiência do Sr. Zients no setor de saúde útil para lidar com a resposta à pandemia, ele temia que o Sr. Zients pudesse ser muito complacente. com as empresas à medida que as vacinas são distribuídas. próximo ano.

A resistência preventiva aos Zients (pronuncia-se ZYE-ents) da esquerda é a última indicação de como o Partido Democrata mudou nos doze anos desde que o ex-presidente Barack Obama assumiu o cargo em meio a uma crise financeira. Agora, a experiência em negócios e finanças pode transformar candidatos qualificados à Casa Branca em párias para os progressistas.

The White House Christmas decorations are themed “America the beautiful.” The holiday season is one area where the norm-breaking president appears intent on savoring tradition.
Crédito…Doug Mills / The New York Times

The red and gold party invitations make no mention of the coronavirus, nor do they acknowledge the holiday message that public health officials have been trying to emphasize to Americans: stay home.

Instead, the invitations are the latest example of how President Trump is spending his final weeks in office operating in an alternative universe, denying the realities of life during the pandemic.

“The president and Mrs. Trump request the pleasure of your company at a holiday reception to be held at the White House,” reads the cursive text, displayed under a presidential seal.

Invitations to at least 20 White House parties, beginning Monday at 7 p.m., have been sent out so far. The guest lists include current and former officials and allies, some from out of state; Republican National Committee officials; campaign staff members; and some Republicans on Capitol Hill.

But in more than half a dozen interviews on Tuesday, many invitees said they did not plan to attend because of the personal risk that attendance would require. Others joked that since so many people in the president’s orbit had already tested positive for the virus, the White House had achieved herd immunity and was now a safe space for a quick stop to view the Christmas decorations.

The holiday party season, canceled across most of Washington, will be a rare time when the White House will feel busy. Inside the West Wing in recent weeks, there has been noticeably less foot traffic in and out of the Oval Office, as staff members pondering their career moves give a president who refuses to concede some space. Mr. Trump has made few public appearances since the election was called for Joseph R. Biden Jr.

But the holiday season at the White House — complete with a gingerbread house made with 25 pounds of chocolate and 25 pounds of royal icing by the in-house pastry team — is one area where the norm-breaking president appears intent on savoring tradition.

On the afternoon of Dec. 11, Mr. Trump is hosting a party for the West Wing staff and their families. There are also receptions planned for the evenings of Dec. 14 and Dec. 16, according to guests and copies of invitations. Officials said there were at least 20 holiday events on the calendar through December.

Stephanie Grisham, the chief of staff to Melania Trump, the first lady, said guests would be strongly encouraged to wear masks when they were not eating and the guest lists were smaller than usual. She did not say how many people were invited to each event.

Other restrictions were being put in place that were not instituted when the president hosted a large crowd for an indoor party on election night.

“Guests will enjoy food individually plated by chefs at plexiglass-protected food stations,” Ms. Grisham said in a statement. “All passed beverages will be covered. All service staff will wear masks and gloves to comply with food safety guidelines. Attending the parties will be a very personal choice. It is a longstanding tradition for people to visit and enjoy the cheer and iconic décor of the annual White House Christmas celebrations.”

The latest guidance from Mayor Muriel E. Bowser of Washington, a Democrat, limits indoor gatherings in the city to no more than 10 people. Beginning Dec. 14, restaurants in Washington are allowed to operate indoors only at 25 percent capacity.

The White House is exempt from the city’s restrictions because it is on federal property.

The Inaugural reviewing stand on Pennsylvania Avenue under construction for President-elect Biden’s inauguration.
Crédito…Doug Mills / The New York Times

O palco que está sendo construído na frente oeste do Capitólio tem capacidade para 1.600 espectadores para uma olhada de perto no presidente eleito Joseph R. Biden Jr. enquanto ele faz o juramento. A cabine de revisão em construção em frente à Casa Branca estará pronta para o desfile inaugural e milhares de espectadores aplaudindo enquanto os manifestantes passam. E o National Mall está prestes a abrigar muitos mais.

Mas a pompa e as circunstâncias tradicionais da versão quadrienal americana de uma coroação colidem com a dura realidade de uma coroação. pandemia ele provavelmente ainda está furioso em 20 de janeiro. Por isso, a equipe de Biden está sinalizando que quer uma abertura bem diferente.

Se tivesse vencido a reeleição, esperava-se que o presidente Trump ignorasse as ameaças à saúde em favor de grandes multidões para sua posse. Mas Biden já indicou que seu negócio não será business as usual. Em uma declaração na segunda-feira, o recém-nomeado diretor executivo do comitê inaugural de Biden deu a entender o iminente ato de equilíbrio entre saúde e política.

“Honraremos as tradições inaugurais americanas e envolveremos os americanos em todo o país, mantendo todos saudáveis ​​e seguros”, disse Tony Allen, presidente da Delaware State University e diretor executivo do comitê.

Como isso pode ser visto?

Os assessores do presidente eleito são tímidos. Mas a abordagem de Biden para fazer campanha durante a pandemia, que incluiu comícios, coletivas de imprensa socialmente distantes e uma convenção nacional em grande parte virtual, fornece um modelo de como os eventos podem se remodelar para a era Covid-19.

No Capitólio, onde as cerimônias oficiais de abertura são organizadas por um comitê bipartidário do Congresso, legisladores e assessores têm trabalhado discretamente desde muito antes da eleição, tentando reinventar como seria uma transferência de poder durante uma pandemia.

A resposta curta é: consideravelmente menos lotada.

Os organizadores estão determinados a ver Biden prestar o juramento e fazer um discurso à nação fora da Frente Oeste do Capitólio, preservando uma pintura icônica que muitas vezes deu o tom para uma nova presidência. Mas, para que isso aconteça, eles devem reduzir o número de oficiais flanqueando Biden.

Aqueles que forem aprovados no tribunal – juízes da Suprema Corte, ex-presidentes, principais líderes da Câmara e do Senado e o Estado-Maior Conjunto entre eles – precisarão se distanciar socialmente e usar máscaras. Alguns podem ser solicitados a fazer o teste de coronavírus.

Election workers counted absentee ballots in Milwaukee last month.
Crédito…Chang W. Lee/The New York Times

President Trump’s campaign on Tuesday sued the Wisconsin Elections Commission and Gov. Tony Evers, a Democrat, aiming to throw out hundreds of thousands of absentee ballots cast in the Democratic bastions of Dane County and Milwaukee County.

The Trump campaign lawsuit does not claim specific cases of fraud, but rather aims to overturn Wisconsin’s entire system of early voting, and aims to undo Mr. Evers’s certification on Monday of President-elect Joseph R. Biden Jr.’s victory in the state.

The suit claims that all in-person absentee ballots in Dane and Milwaukee counties be invalidated because it says, incorrectly, they were cast without voters submitting a written application requesting the ballot. Voters across Wisconsin who voted early at in-person locations cast ballots using the same application, but the Trump campaign has only contested ballots cast in Dane and Milwaukee counties, which cast the most number of votes for Mr. Biden in the state.

Mr. Trump’s lawsuit also seeks to throw out 17,000 ballots cast in Madison, which is in Dane County, at weekend events called “Democracy in the Park.” Before in-person absentee voting began Oct. 20, Madison municipal officials dispatched poll workers to collect absentee ballots in city parks. Though the event was cleared in advance by the Wisconsin Elections Commission, the Trump campaign has argued the votes were cast illegally.

And the Trump campaign wants the court to discard ballots in which municipal clerks aided voters by finishing absentee ballot applications that voters left incomplete — guidance provided to them by the elections commission that follows how elections in the state have been conducted in the past.

The Trump campaign filed the lawsuit in the Wisconsin Supreme Court, where conservatives hold a 4-to-3 majority. The court has given Mr. Evers and other defendants, which include Dane and Milwaukee Counties and the Wisconsin Elections Commission, until 9:30 p.m. Eastern on Tuesday to respond to the Trump campaign’s lawsuit.

During a meeting of the Wisconsin Elections Commission on Tuesday morning, Mayor Tom Barrett of Milwaukee (not Madison, as an earlier version of this post said) said the Trump campaign was trying to undo the state’s established system of voting.

“The claims raised through the recount by the Trump campaign and by President Trump himself are not challenging the accuracy or legitimacy of the results, rather they challenge the entire election system in Wisconsin, claiming entire groups of absentee in-person and absentee by-mail votes were not legitimate,” Mr. Barrett said. “They are doing so only in select counties. These claims are obviously an egregious and floundering attempt to discredit this fair election.”

The new suit in Wisconsin is only the latest last ditch effort by the Trump campaign and its Republican supporters to overturn the certification of the voting process in several key swing states.

In the past week alone, Republican-led lawsuits challenging certification have also been filed in state courts in Michigan, Minnesota and Georgia. Two federal lawsuits — in Atlanta and Detroit — contesting the certification of election results are moving through the courts as well.

On Tuesday afternoon, Representative Mike Kelly, Republican of Pennsylvania, filed an emergency request to the Supreme Court asking it to freeze in place the certification of the state’s voting results pending an appeal of a lawsuit he had filed that the state Supreme Court dismissed over the weekend. Pennsylvania has already certified its results, but Mr. Kelly wanted no further steps taken until the Supreme Court heard his appeal.

The Pennsylvania Supreme Court on Saturday tossed Mr. Kelly’s suit, which had sought to declare unconstitutional a 2019 state law authorizing mail-in ballots and to retroactively nullify their use in the election last month — a move that, if successful, would have tipped the state to Mr. Trump.

Alan Feuer contributed reporting.

President Trump’s campaign has told supporters that it needs donations for an “Election Defense Fund,” but much of the money could be used to seed his next political steps.
Crédito…Erin Schaff / The New York Times

Presidente Trump has raised about $170 million since Election Day as his campaign operation has continued to aggressively solicit donations with hyped-up appeals that have funded his fruitless attempts to overturn the election and that have seeded his post-presidential political ambitions, according to a person familiar with the matter.

O dinheiro, grande parte do qual foi arrecadado na primeira semana após a eleição, segundo a pessoa, veio quando Trump fez falsas alegações sobre fraude e procurou minar a confiança pública na legitimidade da vitória do Presidente eleito Joseph R. Biden Jr.

Em vez de desacelerar após a eleição, a campanha de Trump aumentou seu volume de solicitações de dinheiro por e-mail, dizendo aos apoiadores que o dinheiro era necessário para um “Fundo de Defesa Eleitoral”.

Na realidade, as letras miúdas mostram que os primeiros 75 por cento de cada contribuição atualmente vai para um novo comitê de ação política que Trump criou em meados de novembro, Save America, que pode ser usado para financiar suas atividades políticas no futuro, incluindo pessoal e viagens. Os outros 25% de cada doação vão para o Comitê Nacional Republicano.

Um doador tem que dar $ 5.000 para o novo PAC de Trump antes que os fundos vão para sua conta contábil.

Mesmo assim, a campanha de Trump continua pedindo dinheiro urgentemente. Na segunda-feira, Trump assinou um e-mail de campanha, sem fôlego, dizendo aos apoiadores que o final de novembro, quase quatro semanas após o dia da eleição, representou “nosso prazo MAIS IMPORTANTE”.

Tim Murtaugh, porta-voz da campanha de Trump, se recusou a comentar sobre a arrecadação de fundos.

A cifra de US $ 170 milhões, arrecadada em menos de quatro semanas, é uma soma enorme que rivaliza com as quantias de dinheiro arrecadadas no pico da campanha. Embora o detalhamento do dinheiro não estivesse imediatamente disponível, a enxurrada de doações parece ter liquidado qualquer dívida de campanha remanescente de Trump (nos primeiros dias após a eleição, as letras miúdas mostravam que as contribuições se destinavam a esse propósito). . O dinheiro provavelmente também dará a Trump uma vantagem financeira considerável para pagar por suas atividades políticas pós-presidenciais.

Apesar do influxo de dinheiro, tanto a campanha de Trump quanto o R.N.C. eles reduziram seu pessoal desde as eleições.

Progressive groups are supporting Jon Ossoff in his runoff race against Senator David Perdue of Georgia.
Crédito…Nicole Craine para o New York Times

Faltando apenas algumas semanas para as duas eleições de segundo turno da Geórgia, que determinarão o equilíbrio do Senado, grupos progressistas estão investindo recursos no estado – em nome de dois candidatos que não compartilham de seus objetivos políticos mais ambiciosos.

Embora os candidatos, Jon Ossoff e o reverendo Raphael Warnock, não tenham endossado o Green New Deal, o Movimento Sunrise, o grupo ativista pelo clima que defende o amplo plano de mudança climática, pretende ajudar a registrar de 10.000 a 20.000 georgianos que irão cumprir. 18 anos. para 5 de janeiro, dia da eleição. O Comitê da Campanha de Mudança Progressiva já arrecadou US $ 386.000 para os dois candidatos democratas. O MoveOn, um grupo progressista, espera mobilizar muitos de seus 250.000 membros na Geórgia, e mais em todo o país, para realizar pesquisas e construir um banco de telefones no estado.

Os esforços furiosos refletem a urgência que está consumindo o flanco esquerdo do Partido Democrata. Duas vitórias na Geórgia produziriam um empate de 50 a 50 no Senado, dando aos democratas o controle da câmara porque Kamala Harris votaria no segundo turno como vice-presidente.

“Estamos movendo céus e terras e direcionando todos os nossos recursos, tanto quanto podemos, para nos ajudar a ganhar essas duas cadeiras na Geórgia”, disse ele Arqueiro Jamaal, um democrata de Nova York que se juntará à Câmara no próximo mandato.

Bowman disse que falou recentemente com Stacey Abrams, que perdeu por pouco a corrida para governador da Geórgia em 2018 e é amplamente creditado com as iniciativas de participação eleitoral que ajudaram a transformar a Geórgia neste ano, para ver como ele poderia apoiar seus esforços. E ele disse que ele e outros progressistas na Câmara, incluindo aqueles conhecidos como esquadrão, um grupo que agora cresce que começou com quatro congressistas negros, estavam planejando estratégias para ajudar na Geórgia.

Mas os progressistas também entendem que por décadas a Geórgia foi um reduto republicano com um grande número de eleitores conservadores, e que seus esforços devem ser modulados. O presidente eleito Joseph R. Biden Jr. conquistou o estado, dizem muitos democratas, com uma agenda moderada que temperou a retórica e os objetivos políticos da esquerda.

Entre aprofundamento de falhas ideológicas entre os democratas em mensagens e estratégia eleitoral: divisões que surgiram quando o partido avalia seu perdas dolorosas na votação – As duas eleições no segundo turno do Senado também serão um caso de teste para saber se os progressistas podem equilibrar seus amplos pedidos de mudança com a realidade de fazer campanha em um estado que antes era republicano.

Eric Johnson, center, a campaign adviser to Senator Kelly Loeffler, wants President Trump to stop saying the election was rigged and to focus on getting Republican candidates elected in Georgia.
Crédito…Stephen Morton / Associated Press

Ataque sustentado do presidente Trump contra seu próprio partido na Geórgia– e suas repetidas alegações de fraude eleitoral no estado – aumentaram as preocupações entre os republicanos de que ele poderia estar prejudicando sua capacidade de vencer duas eleições decisivas no segundo turno do Senado no mês que vem.

O presidente afirmou, sem provas, que sua perda no novo estado do campo de batalha foi fraudulenta, direcionando sua raiva em particular contra o governador Brian Kemp e o secretário de Estado Brad Raffensperger, ambos republicanos conservadores, a quem acusou de não fazerem o suficiente. para ajudar. ele cancela o resultado.

No fim de semana, ele intensificou seus ataques a Kemp, dizendo que estava “envergonhado” por tê-lo apoiado em 2018, e na segunda-feira chamou o Sr. Kemp “infeliz“No Twitter, ele o instou a” substituir seu teimoso secretário de Estado republicano “.

O ataque de Trump abalou discretamente alguns republicanos no estado, que temem que as preocupações sobre a justiça da eleição presidencial possam diminuir o comparecimento às eleições para o Senado, que determinará se democratas ou republicanos controlam a câmara.

Depois de resistir aos apelos para comparecer à Geórgia, o presidente planeja viajar para lá neste fim de semana, embora até mesmo alguns de seus próprios assessores permaneçam incertos se sua raiva contra autoridades estaduais ofuscará seu apoio aos dois candidatos do partido. .

“Você não pode dizer que o sistema é fraudado, mas escolha esses dois senadores”, disse Eric Johnson, um ex-líder republicano no Senado da Geórgia que é conselheiro de campanha de Kelly Loeffler, um dos candidatos republicanos. “Em algum momento, ele desiste ou diz que quero que todos votem e que seus amigos votem, para que as margens sejam tão grandes que eles não possam roubá-las.”

A divisão significa tanto uma disputa extraordinária sobre a integridade das eleições dentro do Partido Republicano quanto uma amostra do controle que o presidente pode continuar a exercer de forma conservadora, mesmo após deixar o cargo. Como o Sr. Trump falar sério sobre Diante da perspectiva de montar outra candidatura à Casa Branca em 2024, seus objetivos pessoais nem sempre se alinham aos de seu partido, independentemente dos interesses políticos.

“Recebi uma mensagem de alguém na semana passada dizendo: ‘Não, terminei. Não posso confiar na escolha. Nunca vote de novo ‘”, disse Buzz Brockway, um ex-deputado estadual republicano. “O presidente tem um grupo de apoiadores muito dedicado que realmente não apóia o Partido Republicano em geral; eles o apóiam.”

Dr. Scott W. Atlas during a press briefing at the White House in September. His support for allowing the virus to spread in order to achieve herd immunity was widely criticized.
Crédito…Erin Scott for The New York Times

President Trump’s coronavirus czar, Dr. Scott W. Atlas, who has had a leading role in the White House’s efforts to play down the virus and politicize efforts to curb its spread, resigned on Monday from a position that was set to expire this week.

Dr. Atlas, a radiologist, was heavily criticized by many health experts as his guidance on key issues — including the wearing of masksconflicted with guidelines issued by the Centers for Disease Control and Prevention. He has also been widely criticized for his support for allowing the virus to spread in order to achieve herd immunity — a point when transmission of the virus stalls because so many people have either previously had it or have been vaccinated for it.

Allowing the virus to spread unchecked in an effort to achieve herd immunity could lead to hundreds of thousands, if not millions, of additional deaths.

Currently, more than 13 million Americans — 4 percent of the population — have been confirmed to have had the virus. Experts say 70 percent of the population would need to either have had the virus or have been vaccinated for it to achieve herd immunity status.

los relentless spread of the virus across the country is expected to worsen during the winter months.

President-elect Joseph R. Biden Jr. has said he would work on urging governors to mandate masks in public once he is in the Oval Office, but there is little he can do to stem the spread of the virus before his inauguration on Jan. 20. Some epidemiologists predict the national death toll from the virus could surpass 470,000 by March 1.

“His actions have undermined and threatened public health, even as countless lives have been lost to Covid-19,” wrote a group of Stanford doctors in a joint statement on Monday, de acordo com o The San Francisco Chronicle. Dr. Atlas is a senior fellow at the university’s conservative Hoover Institution, and that same group of doctors in September denounced many of his statements regarding virus response.

Minnesota, Dakota del Norte Y South Dakota led the country with the most new virus cases per capita in the past week. And hospitals are filling up in some states, raising concerns that they could soon be overwhelmed. No Califórnia, state officials are bracing for intensive care units to become overloaded in a matter of weeks.

Rep. Mark Walker greets supporters at a President Trump campaign event in Greensboro, N.C., in October. He had been mulling a Senate run for months.
Crédito…Khadejeh Nikouyeh/News & Record, via Associated Press

WASHINGTON — Representative Mark Walker announced on Tuesday that he would run for North Carolina’s open Senate seat in 2022, kicking off what is likely to be a fierce Republican primary that could pit him against President Trump’s daughter-in-law in a key swing state.

In an interview, Mr. Walker, a former Baptist pastor from Greensboro, sought to frame himself as a “bridge builder” between Republicans and groups that the party had struggled to reach in recent years, particularly Black voters.

“I am trying to make the case you might want to select somebody who has the ability, or the history to work with people from all different communities,” he said. “I have a track record of going to places and accomplishing things that Republicans have not been able to do.”

Mr. Walker, 51, announced last year that he would not seek re-election after a court ordered North Carolina to redraw its congressional map, making his district much more Democratic.

He had been mulling a Senate run for months after Senator Richard M. Burr, a fellow Republican, decided to retire. By entering the race just days after North Carolina certified its November elections, Mr. Walker was aiming to potentially box out other Republicans contemplating getting into the race.

Other Republicans who are eyeing Mr. Burr’s seat include Lara Trump, the wife of the president’s son Eric Trump; Pat McCrory, the former governor; Representative George Holding, who is also retiring; and Dan Forest, the state’s lieutenant governor who ran an unsuccessful campaign for governor this year.

Ms. Trump has told associates that she is considering entering the contest, and her campaign could be a test of the family’s political staying power once Mr. Trump leaves the White House.

Despite stylistic differences, Mr. Walker has been a close ally of Mr. Trump in the House and would welcome his support in the Senate contest. Still, he offered a subtle dig on Tuesday at the president’s daughter-in-law, who resides in Westchester County but has North Carolina roots.

“If somebody wants to move to the state, legally they can do that, but it doesn’t deter me,” Mr. Walker said. “I have nothing to say but good things about their family.”

At least one potential contender has already passed on the race. Mark Meadows, another North Carolina conservative and Mr. Trump’s chief of staff, said last month he would not run for the seat as some expected.

Democrats see the seat as one of their best pickup opportunities in 2022. Erica D. Smith, a state senator has already indicated she will run again, after losing the Democratic primary this year to Cal Cunningham, who fell short in his bid to unseat Senator Thom Tillis. Other possible candidates include Josh Stein, the state’s attorney general, and Jeff Jackson, another state senator.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo