Últimas Notícias

EU. Insiste no Estado de Direito em um acordo emergente com a Hungria e a Polônia

BRUXELAS – Líderes da União Europeia dirigem-se a duras negociações na quinta-feira para avançar um veto da Polônia e Hungria segurando o orçamento do bloco e um pacote de estímulo considerável, enquanto as duas nações tentam escapar da supervisão que poderia retirá-los da UE. fundos se eles continuarem a reformar as instituições democráticas em casa.

A disputa, que ameaça 1,8 trilhão de euros, ou 2,2 trilhões de dólares, em financiamento, incluindo dinheiro desesperadamente necessário para a recuperação da pandemia, aprofundou as divergências entre os Estados membros e forçou Os líderes europeus devem levar em conta a própria natureza do bloco.

O acordo emergente, negociado pela Alemanha, que detém a presidência rotativa do bloco, ainda vincularia o financiamento ao cumprimento dos padrões do Estado de Direito, uma vitória para a maioria dos Estados membros.

Mas a medida juridicamente vinculativa ainda será diluída. Autoridades e diplomatas informados antes da reunião programada dos líderes disseram que o acordo daria à Hungria e à Polônia uma declaração que limitaria o bloco a examinar os gastos da UE. dinheiro. Os membros também podem contestar uma decisão do Tribunal de Justiça das Comunidades Europeias.

Na UE típica, sem surpresa, tal compromisso permitiria aos líderes da Hungria e da Polônia salvar a face em casa ou mesmo reivindicar a vitória. Mas também encerraria o confronto que atrasou os fundos de estímulo.

Um rascunho de declaração visto pelo The New York Times, que poderia ser finalizado na quinta-feira, disse que a Comissão Europeia definiria como o mecanismo do Estado de Direito funcionará, observando que ele não seria usado para discriminar um estado membro ou invadir sua soberania.

O projeto também permitiria aos Estados membros contestar o mecanismo em tribunal antes de ser usado. Os detalhes tornam o processo demorado, adiando qualquer ação real por meses, senão anos. Isso seria vantajoso para Viktor Orban, o primeiro-ministro iliberal da Hungria, que enfrenta as eleições de 2022.

Especialistas jurídicos foram rápidos em criticar o acordo emergente.

“O projeto não tem precedentes e é legalmente suspeito, pois parece prometer que a Comissão Europeia não aplicará o novo regulamento até que a Hungria e a Polônia tenham a oportunidade de entrar com um litígio no Tribunal de Justiça da União Europeia para tentar anulá-lo. “disse R. Daniel Kelemen, professor de Ciências Políticas e Direito da Universidade Rutgers.

O impasse empurrou a toxicidade da construção entre os dois países e o resto do bloco para o coração de Bruxelas, descarrilando planos cuidadosamente elaborados para um pacote de estímulo pós-coronavírus de 750 bilhões de euros, bem como o orçamento regular plurianual. Mais atrasos impediriam que os fundos chegassem às nações que precisam desesperadamente deles, desacelerando uma incipiente recuperação econômica da pior recessão da história do bloco.

Mas os combates também revelaram a profundidade das linhas divisórias, num momento em que a União Europeia tenta se unir para combater a pandemia e mostrar uma frente unida após a saída da Grã-Bretanha.

A Hungria e a Polônia há muito estão em desacordo com a Comissão Europeia, o braço executivo do bloco, por causa do desmantelamento de instituições-chave do Estado de Direito. O Tribunal de Justiça da União Europeia, o mais alto tribunal da UE, declarou algumas destas políticas ilegais, mas a resistência continuou. Os líderes húngaros e poloneses argumentam que as mudanças institucionais são sua prerrogativa nacional e acusam a Comissão de aplicar padrões duplos aos Estados do Leste Europeu, descrevendo as disposições do Estado de direito como arbitrárias e políticas.

Muitos estão preocupados que o dano que está sendo feito à democracia na Polônia e na Hungria não só seja difícil de reverter, mas também seja prejudicial a toda a União Europeia, o bloco de democracias mais rico do mundo.

“A Europa se estabeleceu como uma comunidade de Estados com ideias semelhantes e, em seu DNA, não tem essa consciência de que pode haver violações fundamentais do Estado de Direito na UE”, disse Wojciech Sadurski, especialista em direito constitucional polonês e australiano que ele é um crítico proeminente do governo polonês.

No terreno, na Hungria e na Polônia, o impacto dessas políticas é profundamente sentido.

Na Hungria, Orban e seus aliados lideraram uma erosão lenta e metódica do Estado de Direito. Eles adotou uma nova constituição e mudaram as leis eleitorais para se favorecerem. O Tribunal Constitucional está repleto de pessoas leais, bem como de cargos de alto nível, abrangendo a mídia pública, o procurador-geral, o Banco Nacional da Hungria e muito mais.

Essa consolidação de poder diminuiu drasticamente o escrutínio significativo: as eleições são livres, mas não são justas; grande parte da mídia é controlada por aliados do partido no poder; a oposição no Parlamento é pequena e não tem poder prático.

A reforma judicial da Polônia, que é apresentada sob o pretexto de um impulso para exorcizar os restos do sistema da era comunista, também atraiu críticas da Comissão Europeia, que vê interferência na independência judicial.

A batalha pela condicionalidade do Estado de Direito ocorre em um momento em que a Polônia está sendo abalada por um aumento nos casos de coronavírus, bem como um crescente movimento de protesto pelos direitos das mulheres.

Laurent Pech, professor de direito europeu na Middlesex University em Londres, disse que ambos os países buscam “o mesmo plano para minar os freios e contrapesos de poder”.

“Começa com a captura do tribunal constitucional, depois é feito o controle dos meios de comunicação públicos, do Ministério Público e da polícia, concluindo geralmente com uma revisão do código eleitoral”, afirmou.

Como resultado, disse Pech, a Hungria é agora “uma autocracia eleitoral”, e a Polônia, onde o partido no poder enfrenta a maior resistência, não fica muito atrás.

Desde que assumiu o poder, o governo nacionalista-conservador da Polónia assumiu o controlo do tribunal constitucional, colocou o Ministério Público sob a autoridade do Ministério da Justiça e estabeleceu um novo regime disciplinar para os juízes.

O Tribunal de Justiça da União Europeia ordenou a suspensão desse órgão disciplinar, mas nos últimos meses retirou a imunidade e cortou os salários de dois juízes que tinham criticado o governo.

A Comissão Europeia intentou vários processos contra a Hungria e a Polónia, a maioria relacionados com revisões e gestão do sistema judicial. Mas o processo é lento e exige que dezenas de pessoas se dediquem a um caso por vários meses. Em alguns casos, a decisão do tribunal chega tarde demais.

A Comissão e o Parlamento avançaram com processos contra a Polónia e a Hungria por violações graves da UE. valores. A pena máxima é a eliminação do direito de voto, mas não houve progresso em nenhum dos dois casos.

Um nó-chave no processo reside no agrupamento de líderes dos Estados membros, conhecido como Conselho Europeu, onde Orban e o primeiro-ministro Mateusz Morawiecki da Polônia têm aliados ocasionais, incluindo a chanceler Angela Merkel da Alemanha.

A desconfiança gerada entre cidadãos e governos em algumas das democracias mais ricas e maduras é uma nova ameaça à unidade do bloco. As chamadas nações frugais, que são contribuintes líquidos do orçamento, estão liderando a acusação contra a Polônia e a Hungria para evitar o escrutínio.

Pesquisa recente sugere que os cidadãos da Dinamarca, Finlândia, Holanda e Suécia não se importam com as grandes contribuições de seus países para a UE. gastos, mas sentem que alguns dos países beneficiários não tiveram os controles e balanços necessários para garantir gastos robustos. Outra pesquisa descobriu que mais de 70 por cento dos EUA Os cidadãos, incluindo os da Polónia e da Hungria, querem verificações do Estado de direito para o desembolso de fundos.

Essa pressão é forte na Holanda, a mais crítica das posições polonesa e húngara, onde o primeiro-ministro Mark Rutte enfrenta eleições em março.

E embora os problemas mais graves estejam na Polônia e na Hungria, problemas de Estado de Direito espreitam em vários outros estados, levantando preocupações de que apaziguar Varsóvia e Budapeste poderia permitir mais violações em outros lugares.

“Você pode entender a importância do Estado de Direito quando ele não existir mais”, disse Pech. “Quando você tem isso, é muito mais difícil valorizá-lo.”

Matina Stevis-Gridneff e Monika Pronczuk relataram de Bruxelas e Benjamin Novak de Budapeste.

Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo