Últimas Notícias

Morte de 100 civis após ataques no Níger

NIAMEY, Níger – Cem civis foram mortos em ataques de supostos militantes na nação africana de Níger no sábado, de acordo com funcionários do governo.

Homens armados atiraram em homens e meninos no que foi dito ser um ataque de vingança nas aldeias de Tchoma Bangou e Zaroumadareye. As aldeias estão na região sudoeste de Tillabéri, onde os civis têm cada vez mais sob ataque nos últimos dois anos.

“Eles abriram fogo contra todos”, disse Jahafar Koudize, um residente de Tchoma Bangou que conseguiu escapar.

O ataque, ocorrido apenas uma semana após as eleições presidenciais do Níger, é um dos mais mortíferos da história do país. A primeira-ministra Brigi Rafini, falando em rede nacional no domingo sobre uma visita à área dos ataques, estimou o número de mortos em 100, mas não disse quem foi o responsável, informou a Reuters.

Em dezembro de 2019 e janeiro de 2020, as forças de segurança nigerianas sofreram enormes perdas na mesma região, que também é onde quatro soldados das Forças Especiais dos EUA morreram junto com cinco de seus colegas nigerianos em 2017.

Nenhum grupo assumiu a responsabilidade pelos assassinatos, mas militantes que recentemente invadiram Tillabéri estão com o Estado Islâmico no Grande Saara, uma franquia do Estado Islâmico.

Toda a região se tornou cada vez mais perigosa para muitos dos que vivem nela.

Desde que rebeldes e islâmicos armados assumiram o controle das cidades do vizinho Mali em 2012, a ameaça terrorista se espalhou pelo Sahel, uma faixa de terra ao sul do Saara. Ao mesmo tempo, as forças militares de vários países do Sahel, incluindo o Níger, realizaram abuso sério.

Níger esforços para conter o O Estado Islâmico no Grande Saara não teve sucesso, dizem os especialistas, e as forças de segurança estão cada vez mais se retirando da região.

Koudize, um residente de Tchoma Bangou, disse que escapou com sua esposa e cinco filhos, mas que os homens armados mataram quantos meninos e homens da aldeia puderam.

“Tentamos nos defender o melhor que podíamos, dois de nós estávamos armados”, disse ele. “Mas quando aqueles dois foram mortos, muitos de nós fugimos com nossas famílias.”

Koudize disse que em 15 de dezembro três homens armados vieram tentar arrecadar dinheiro dos moradores, um “imposto” que eles cobram das comunidades da região. Falando em Zarma, ele usou a palavra “izifuto” para descrever os homens, um termo que os nigerianos traduzem como terrorista, jihadista ou bandido.

Os moradores mataram os homens, disse Koudize.

“Foi isso que levou os jihadistas a entrar em vigor para se vingar da aldeia”, disse ele.

Todos na área estavam fartos da extorsão constante, disse Koudize.

“Todos os habitantes da região decidiram lutar contra os terroristas, porque embora as autoridades enviem soldados para nos proteger, é apenas por alguns dias”, disse ele. “Não podemos mais viver como prisioneiros.”

O Níger realizou a primeira rodada de sua eleições presidenciais em 27 de dezembro, e espera-se que a votação resulte na primeira transferência de poder pacífica e democrática do país.

O presidente Mahamadou Issoufou renunciará após cumprir os dois mandatos permitidos pela Constituição. O candidato do partido no poder, Mohamed Bazoum, enfrentará um ex-presidente, Mahamane Ousmane, em um segundo turno a ser realizado em fevereiro.

Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo